É pra subir!



Em meio a disputa do US Open foram anunciados ontem os times para os duelos da Copa Davis entre os dias 14 e 16 de setembro. O Brasil virá com Rogério Dutra Silva de novidade jogando simples com Thomaz Bellucci e a dupla Marcelo Melo e Bruno Soares. A grande notícia, para nós, é o time russo sem Nikolay Davydenko, ex-top 3, e Mikhail Youzhny, ex-top 8. Os russos jogam com Alex Bogolov, Igor Andreev, Evgeny Donskoy e Alex Kuznetsov.

Chance maior para o Brasil retornar ao Grupo Mundial após dez anos (nossa última participação foi em 2003!), talvez não teremos. O time da Rússia é limitado e inexperiente. Dos dois melhores jogadores, Igor Andreev é o mais experiente, com várias participações em Davis, com uma época no top 15 no currículo e bom tenista de saibro, mas perdeu fácil para Bellucci no confronto do ano passado em Kazan. Bogomolov, o melhor ranqueado deles, jogou apenas um confronto da competição e perdeu seus dois jogos de simples. E também não é bom na superfície. Os dois outros não tem participações na competição.

Com esta equipe, fica uma certa obrigação no ar de Bellucci em vencer suas duas partidas de simples e da dupla fazer seu papel. Isso pode não ser tão bom, pois nosso número 1 sabidamente tem problemas para lidar com favoritismo. Mas no duelo diante da Colômbia, após mau início, ele soube controlar a pressão para levar o time ao triunfo. E é um duelo onde Rogério Silva tem boas condições de beliscar um pontinho de qualquer tenista russo.

Obviamente que sempre ficamos cautelosos após nossas derrotas contra a Índia (2010) e Equador (2009), mas na ocasião jogavamos fora de casa, no primeiro citado, e contra um tenista muito experiente (Nicolas Lapentti). A chance é agora. O Brasil não pode deixar essa escapar.

Em Nova York, Federer segue passeando. Uma ótima vitória sobre Verdasco, com um tênis de encher os olhos e depois um WO de Mardy Fish. Ele enfrenta Tomas Berdych no que promete ser o mais duro jogo do torneio. Pode pesar, no início da partida, a falta de ritmo por ficar quatro dias sem atuar enquanto que o rival vem quente e descansado por um jogo mais rápido na rodada anterior.

Andy Murray é uma incógnita. Em todas suas partidas noturnas brilhou. Devolveu o poderoso saque de Milos Raonic como nunca, não deu chances pro ascendente canadense. Mas quando jogou com o calor, com a umidade, apresentou problemas físicos e dificuldades técnicas. Sofreu. Para ganhar um Slam não se pode escolher atuar sempre em um determinado horário. Tem que estar bem para tudo.

Até o presente momento Novak Djokovic vem com ótimas atuações, mas hoje terá um teste interessante contra Stanislas Wawrinka. E o jogão desta noite é entre Roddick x Del Potro. O americano jogando solto e Delpo voltando a ter boas atuações, parecendo estar em boa forma após a lesão no punho esquerdo. Promessa de emoções.



MaisRecentes

Djokovic a caminho de recordes



Continue Lendo

Indomável, Djokovic agora postula ida ao Nº 1. Brasil tem por quem torcer



Continue Lendo

Del Potro pisa mais forte que Nadal no US Open. NextGen ainda não embala



Continue Lendo