De dar sono. R$ 23 mil por game!



O primeiro dia do Aberto dos Estados Unidos não foi dos melhores, talvez o mais chato da temporada. Os favoritos todos vencendo, algumas surpresas sim, mas digamos relativamente esperadas e jogos sem muita emoção.

O retrato do dia DE DAR SONO foi a partida de Andy Murray contra Alex Bogomolov Jr. O escocês teima em querer complicar alguns jogos fáceis. Quando quis foi lá e resolveu, mas sofreu muito no início do primeiro e segundo sets com aquele tênis preguiçoso, passando bolinha, sacando mal, demonstrando muita passividade e certo nervosismo. Uma oscilação que não pode ter no decorrer do torneio onde tem uma chave bem difícil.

Só mesmo Roger Federer para me desperder nesse primeiro dia. O adversário, Donald Young, não ofereceu tanta resistência, mas Federer mostrou toda sua confiança dos últimos meses e fez jogadas maravilhosas mostrando ter se adequado bem com a superfície.

Young é um ótimo jogador, mas não tem potência para estar no top 20, no máximo rondar pelos 50 melhores. Mais uma prova de que ser número 1 do mundo juvenil não necessariamente indica que você será um excepcional profissional.

O que dizer de uma tenista que disputa os quatro Grand Slams do ano e em TODOS consegue fazer apenas OITO GAMES ? Isso mesmo. A tenista em questão é a romena Alexandra Cadantu. Ao todo ela faturou em premiação mais de US$
92 mil (mais de R$ 180 mil) o que indica que ela ganhou R$ 23 mil por cada game feito. Essa aí trabalhou pouco e ganhou muito…

O que é mais gritante. Cadantu é a número 68 do mundo. O que prova um forte desnível no tênis feminino.

Outro dado a salientar sobre o assunto são os tenistas que mesmo sem condições de jogo entram em quadra, às vezes para apenas jogar um set ou alguns games e se retirar. Vale a pena ir lá, pegar o prize money e depois partir pra outro evento ou buscar tratar a lesão.

Federer no Brasil – Confirmada as exibições de Federer no Brasil. Contra Bellucci no dia 6 de dezembro e Tsonga no dia 8. Exibições também de Sharapova, Azarenka e Serena Williams. Aguardamos o preço dos ingressos. Na Colômbia o mais barato saiu por R$ 215 e na Argentina por R$ 300. Veja a programação dos jogos do suíço em São Paulo!



MaisRecentes

Djokovic a caminho de recordes



Continue Lendo

Indomável, Djokovic agora postula ida ao Nº 1. Brasil tem por quem torcer



Continue Lendo

Del Potro pisa mais forte que Nadal no US Open. NextGen ainda não embala



Continue Lendo