Djokovic se deu bem. Bellucci com boa chance



Estamos acostumados a comentar, quase sempre, que ou Federer ou Nadal tiveram chaves fáceis ou difíceis. Desta vez quem se deu bem, na minha ótica, foi o sérvio. Seu caminho no US Open não promete ser muito duro até as quartas de final. Tudo de bom pra ele ganhar ritmo e ir avançando com economia de energia, algo que lhe falta após a série de olimpíada e os Masters na América do Norte.

Na estreia um rival fraco no piso duro (Djokovic fez 6/2 6/0 6/0 na Austrália em superfície similar). Em seguida um qualifier ou o brasileiro Rogério Dutra Silva. Obviamente que torço para o brasileiro avnaçar e dar aquele calor do número 2 no mundo, fazer bonito, mas pelo estilo de jogo do brasileiro mais no fundo sem um saque potente, a tendência é de que Nole não passa por muitos apuros. Na terceira fase o francês Benneteau. Pras oitavas pode complicar um pouco. Stanislas Wawrinka vejo como um tenista perigoso principalmente após a boa campanha em Cincinnati. Mas ele é sempre uma incógnita. Tem talento, mas falha nas horas decisivas contra os tops e vez ou outra tropeça contra mais fracos.

Nas quartas contra Del Potro o buraco é mais embaixo. Mas aí é a grande pergunta. Em que condições o argentino irá chegar ? Será que o punho esquerdo lesionado lhe permite ? Será também que passa por uma estreia dura contra Daid Nalbandian que promete ser o melhor jogo da primeira rodada ?

Na semi Nole escapou de Andy Murray e enfrentaria um David Ferrer, que não inspira confiança para chegar nessa fase, um Janko Tipsarevic ou quem sabe um John Isner ou Tommy Haas. A parte 3 da chave de 128 jogadores promete ser bem disputada sem nenhum favorito destacado.

A chave mais dura do Slam novaiorquino é a de Andy Murray. Chance de pegar o brasileiro Thomaz Bellucci na terceira fase ou outro tenista perigoso como Feliciano Lopez ou Robin Haase (Haase ? Quem ? Este já tirou sets do escocês em Slams se você não lembra!), nas oitavas Milos Raonic que num piso rápido é sempre complicado e nas quartas Jo-Wilfried Tsonga. Para a semi Roger Federer. Será uma vida dura para quem busca seu primeiro Grand Slam e a pressão, após a vitória Olímpica, latente.

Federer pegou uma chave não tão boa assim. A primeira rodada é boa pra pegar ritmo. Quem não sabe, Donald Young perdeu 17 jogos seguidos, ficando perto do recorde de 21 quedas do lendário Vincent Spadea. Em seguida jogos contra tenistas que não vêm em fase tão boa. Verdasco na terceira rodada, Fish ou Simon nas oitavas. Nas quartas duelo contra Tomas Berdych. Assim como Del Potro há incógnitas com o tcheco. A fase não é boa, mas ele está na semi esta semana em Winston-Salem. Se ele chegar até esta fase sinal que recuperou seu bom tênis e é aí onde Federer precisa abrir o olho. O suíço já foi derrotado algumas vezes pelo tcheco no piso duro, também na grama de Wimbledon e já teve que virar uma batalha no Australian Open anos atrás.

Para a semi o duelo contra Murray. Para o suíço vejo como nada bom encarar Andy nesta fase. O natural de Dunblane ainda não venceu um Slam e mesmo com a vitória olímpica pode sim voltar a sentir a pressão numa eventual final. Mas no caso na semi contra o Federer a responsabilidade diminui.

Quanto a Bellucci. Ele tem uma boa primeira rodada contra o espanhol Andujar que não é bom no piso duro e que Thomaz venceu em todos os confrontos. A segunda rodada é dura, contra Haase ou Lopez, mas ganhável. E na terceira rodada não vejo como impossível derrotar Murray não. Thomaz já varreu o escocês no saibro de Madri e tem tênis para vencê-lo em Nova York.

No feminino Azarenka, Li, Sharapova e Kvitova bem favoritas na parte de cima. duelo que promete, nas quartas, da musa contra Kvitova. Do outro lado, a campeã de Cincinnati e vice em Montreal, a chinesa Li, tem boas condições de encarar a número 1 na mesma rodada. Antes disso a chinesa vai ter que penar contra Kim Clijsters numa eventual terceira rodada. Pode apostar que a belga virá com tuso pro seu último torneio da carreira. As duas fizeram final da Austrália ano passado.

Do outro lado da chave Serena tem um quadrante muito bom para alcançar a semi e duelar provavelmente contra Kerber. Não aposto 1 centavo na polonesa Radwanska que não veio bem nos torneios do piso rápido.



MaisRecentes

Djokovic está de volta!



Continue Lendo

Um racha no circuito ? 



Continue Lendo

Federer com muitos concorrentes para o All England Club



Continue Lendo