Na torcida…



Thomaz Bellucci fez uma boa partida contra Jo-Wilfried Tsonga. Pena que jogar bem não basta para vencer este tipo de jogador. É preciso estar excelente. Foram cinco break-points no ínício do segundo set, alguns perdidos com erros e outros por conta do potente serviço do rival.

No geral, Bellucci fez duas boas partidas no piso rápido. Venceu Marcos Baghdatis, que é respeitado neste piso (já venceu torneios e fez final do Australian Open), pela primeira vez em três jogos e atuou bem contra Jo-Wilfried.

Acaba sendo um pouco de dúvida se o brasileiro poderá desempenhar bem e passar da segunda rodada pela primeira vez em Nova York. Em primeiro lugar pela pouca preparação. Ele preferiu mais descansar e treinar do que jogar. Deixou de buscas o quali dos Masters de Toronto e Cincinnati perdendo a chance de subir posições no ranking que o colocariam como cabeça de chave no US Open.

Sendo assim, o brasileiro irá solto na chave que será sorteada na tarde desta quinta-feira. E aí é rezar. Thomaz cruzará com um dos 32 cabeças de chave na estreia ou na segunda fase. Pode encontrar por exemplo com um Federer ou Djokovic de cara. Mas nas últimas semanas a sorte não tem ajudado. Em Wimbledon pegou Nadal na estreia, na Olimpíada Tsonga e agora em Winston-Salem um Baghdatis e a seguir o cabeça 1. Um ajudinha dos Deuses do Tênis não cairia mal dessa vez não é ?

E os brasileiros largaram mal no quali do US Open. Júlio Silva e Thiago Alves não ganharam um set na estreia assim como Clezar. Hoje mais quatro jogam: Feijão, Mello, Kirche e Teliana Pereira. Na torcida.



MaisRecentes

Indomável, Djokovic agora postula ida ao Nº 1. Brasil tem por quem torcer



Continue Lendo

Del Potro pisa mais forte que Nadal no US Open. NextGen ainda não embala



Continue Lendo

Emoções no US Open



Continue Lendo