Olimpíada épica



Fico sem adjetivos para descrever o quão bom estão os jogos nesta Olimpíada, o quão estão se dedicando os tenistas, principalmente os favoritos, em busca de uma Medalha. A cada dia uma partida melhor do que a outra, decidida nos detalhes com muito drama, emoção e imprevisibilidade. Tá bonito de se ver. Uma pena que o campeão do masculino só leve 750 pontos e a campeã somente 685, mereciam bem mais.

Hoje, como não poderia ser diferente, uma batalha campal, mais uma em Wimbledon, onde nínguem merecia perder. Tanto Federer como Del Potro estiveram muito bem nos pontos decisivos. Na hora da pressão, no break contra ou naqueles 0/30, o saque e a agressividade/precisão de ambos falava mais alto e somente o set longo para apimentar a abrilhantar o encontro que também teve muitos momentos nervosos. Os dois sentiram nervosismo, pressão.

Quando se dava Del Potro como morto pelo cansaço que aparentava sentir tomando uma quebra no 10/9, o argentino reunia a garra natural de seu país e vinha com seu melhor tênis para virar a situação. Mostrou isso mais adiante num 0/40 e por pouco não devolveu a quebra no último game. Federer não foi diferente, mostrou muita garra e a velha precisão suíça quando o sul-americano via uma porta. Despachava aquele saque potente ou direita precisa.

Fico triste por Del Potro, um argentino muito humilde e batalhador que perde pela sexta vez seguida para Federer e ainda carece daquela vitória para lhe recolocar no patamar que atingiu em 2009 com o US Open e o top 4. O argentina fez por merecer, mas do outro lado da rede deu o azar de ter o gênio, o leão que tinha fome igual.

Depois de bater tanto na trave em três Olimpíadas sem êxitos em simples, Federer terá sua medalha, mas logicamente ele quer o ouro, quer o único grande título que falta em seu currículo e terá pela frente a reedição da final de Wimbledon contra Andy Murray.

A final promete ser muito equilibrada assim como no mês passado. Federer leva um pequeno favoritismo por tudo o que já conquistou e por lidar melhor com as decisões dos torneios importantes do que o escocês, por outro lado o suíço mostrou hoje que também não vem jogando solto a todo momento, que também carrega a responsabilidade por ser a esperança da Suíça e também por provavelmente ser sua última Olimpíada e um caneco que possui. Mesmo querendo vir ao Rio 2016 nunca se sabe o que acontecerá daqui a quatro anos ainda mais para um tenista que está prestes a completar 31 anos (8 de Agosto seu aniversário).

Como sempre o saque será o grande amigo tanto de Roger como de Andy. Quem falhar neste fundamento estará vulnerável às devoluções e a ser dominado no fundo.

Curtinhas:

Federer se garante no topo após a vaga na final e pode abrir uma diferença discreta para Djokovic após a eliminação do sérvio. O suíço nuna perdeu uma partida melhor de cinco sets para Murray na carreira.

Como era esperado o Masters de Toronto que começa na segunda-feira sofreu várias baixas. Federer, Nadal, Ferrer e Verdasco fora. Uma pena, mas os tenistas preservam o físico de olho no US Open que começa fim do mês.

E pelo menos no feminino teremos um Golden Slam (conquistar os quatro Slams + Olimpíadas). No masculino só Roger alcançará tal feito se vencer. Entre as meninas a grande final Sharapova x Serena que só espero ser um jogo disputado. Serena vem muito confiante e fazendo picadinho de todas. Azarenka conseguiu



MaisRecentes

Nadal chega em Paris com sobras. Djokovic pode brigar



Continue Lendo

Nadal não será afetado por derrota em Madri. Zverev cresce, mas precisa confirmar em um Slam



Continue Lendo

Triplo 11 de Nadal ?



Continue Lendo