O Teto. Djokovic, favorito destacado



Mais uma polêmica rondando o torneio de Wimbledon: a utilização do teto retrátil. Em primeiro lugar a cidade de Londres permite eventos esportivos/musicais até às 23h por conta de distúrbios com deslocamento de população e transporte público. Assim os jogos só podem ocorrer até esta hora limitando a utilização da quadra na rodada noturna.

Só que além deste problema a organização do evento britânico se atrapalha na utilização do mesmo. Em primeiro lugar demora-se 30 minutos para fechar o teto, ligar as luzes artificiais, basicamente o dobro do Australian Open, por exemplo.

E com todo este atraso por que não numa previsão de chuva pra quase todo o dia fechar o teto na primeira parada que acontecer ? Hoje foi o exemplo. Federer x Malisse ficou parado por cerca de 40 minutos. Eles terminaram o encontro e no meio do primeiro set do jogo seguinte os ingleses então optaram por utilizá-lo para a conclusão da jornada. Ou seja, perderam 40 minutos.

Para completar, eram 19h quando o jogo de Novak Djokovic terminou, o último da programação. Tinhamos mais cerca de 2h30 para a utilização do teto, o suficiente para o término do jogo entre Murray x Cilic, com o britânico liderando por 1 set a 0 e 3/1 no segundo, e outras duas partidas em andamento. Mas a rodada foi totalmente cancelada e adiada.

Duas explicações. Por teoria em termos de televisão local ese colocaria o jogo do Murray para finalizar. Só que o bom senso mandaria jogar Gasquet x Mayer, também no 2º set, já que este duelo define o rival de Novak Djokovic nas quartas. O sérvio acaba que sai com vantagem física com um dia a mais de descanso.

Por convenção os torneios não costumam mudar de quadra uma partida já iniciada, o caso de ambos os jogos, mas por emergência já vi diversas alterações.

É bom lembrar que essa trapalhada, na minha visão, não ocorreu apenas hoje. No início do torneio deixaram de seguri um jogo da Wozniacki que era na central. Deixaram pro dia seguinte, ela ficou 3h em quadra e bagunçou todo o dia da programação. E se continuar chovendo, como diz a previsão, provável que seguirá o martírio.

Novak Djokovic ganhou meu incondicional favoritismo para vencer o torneio. Não só pelas atuações mais consistentes do que os demais mas principalmente pelos problemas físicos de Roger Federer. As dores nas costas reapareceram e o suíço teve vários problemas com a movimentação. Ganhou hoje muito as custas do respeito enorme que Xavier Malisse tem por ele. O belga sacou pro 1º set e então caiu de intensidade vertiginosamente. Quando não tinha nada a perder levou pro quarto set e quando abriu 2/0 no 4º pensou que poderia ganhar o jogo e aí os erros voltaram.

Federer enfrenta Youzhny nas quartas e provavelmente, se as dores não acentuarem, vai passar já que o rival, freguês de carteirinha (13 a 0 pro suíço) também o respeita demais. Agora Nole não respeita Federer e está com o físico em dia.

Do outro lado da chave só comento nesta terça-feira ok ? Afinal, nenhum jogo terminou.

No feminino Maria Sharapova surpreendida e fora do número 1 já que defendia a final. Poderemos ter uma nova líder se Azarenka cair até a semi e Radwanska for a campeã. A polonesa não me inspira nenhuma confiança. Teremos um baita jogo entre Serena x Kvitova com a americana gostando de dramas após dois jogos apertados. Os duelos femininos ocorrem todos amanhã

Curtinhas:

Bellucci estreou com vitória nesta segunda no challenger de Brausnchweig. Sofreu, mas venceu o 149º colocado, Matteo Viola. Isso é o que importa. O torneio dá 125 pontos ao campeão e se Bellucci faturá-lo voltará ao top 70 podendo ficar entre 65, 66 do mundo. Feijão e Julinho Silva estreiam amanhã.

Nesse Wimbledon louco até o falcão usado para espantar os pombos do clube foi roubado. Rufus, porém, foi encontrado nesta segunda-feira. No jogo de Ivanovic x Azarenka penas caíram na quadra. Será que foi a ação de Rufus ? Rsrs.



MaisRecentes

Nem sempre se pode ganhar todas



Continue Lendo

Djokovic a caminho de recordes



Continue Lendo

Indomável, Djokovic agora postula ida ao Nº 1. Brasil tem por quem torcer



Continue Lendo