Zebra HISTÓRICA



Quem diria amigos que Rafael Nadal fosse eliminado logo na segunda rodada. Quem diria que fosse por Lukas Rosol. O tcheco nunca havia vencido uma partida na grama até este ano e havia apenas disputado quatro jogos oficiais na superfície (sem ser de quali). E ele não é nenhuma jovem promessa despontando. É o número 100 do mundo com 26 anos de idade que já rondou pelo top 70. Hoje Wimbledon presenciou uma ZEBRA ÉPICA, para ficar na história. O número dois do mundo, dono de 11 Grand Slams , sem nenhum problema físico, sendo eliminado.

A explicação em parte é a que eu dei antes do torneio começar. Na grama aquele que tem um saque potente com um jogo bastante agressivo pode causar um estrago ou vencer qualquer um. Rosol entrou desta forma hoje e fez um estilo de jogo parecido com que Robin Soderling fez em Roland Garros 2009. Arriscando tudo, sufocando o espanhol e sacando igual a um cavalo e com uma frieza impressionante. Não sentiu a pressão para fechar a partida, jogou como se fosse um tenista do topo. Estava nas nuvens.

Nadal não fez uma boa partida é a bem da verdade. Largou mal nos três sets que perdeu cometendo erros que não está acostumado e entregando o saque até com dupla-falta. Se sentiu incomodado ainda com a superfície e pagou caro.

O que é curioso. Se em Roland Garros Nadal foi ajudado pela paralisação por conta da chuva e falta de luz natural quando Djokovic se recuperava, hoje foi o contrário. Nadal parecia ter achado seu jogo no quarto set quando a falta de luz permitiu a interrupção para o fechamento do teto retrátil. O suficiente para o tcheco reagrupar e voltar a jogar o tênis que havia produzido antes.

Agora fica aquela pergunta. Pode Rosol causar mais estrago ? Certamente a ficha vai cair amanhã ou até mais tarde, mas difícil ele manter esse nível absurdo de atuação. Não me surpreenderia se perdesse para o competente Kohlschreiber na terceira rodada.

E quem se dá bem com essa zebraça ? Andy Murray, Jo-Wilfried Tsonga, Juan Martin Del Potro…a parte debaixo da chave fica aberta e bem interessante. Será curioso ver como Murray vai lidar. Ele estava jogando sem pressão e agora a mídia voltará o foco nele como favorito a pelo menos atingir a final. Será que suporta ?

Estrago para Nadal no ranking – A queda na segunda rodada causa a perda de 1155 pontos no ranking para Nadal. Ele sairá como número três do mundo e vê suas chances diminuídas de assumir o topo ainda este ano a não ser que Federer e Djokovic decepcionem no All England Club. O suíço tem menos um adversário agora para retomar o topo. Ele já será número 2 no mínimo e se vencer o torneio volta à liderança. O provável duelo contra Djokovic na semi poderá ser uma “final”. Veremos

Curtinhas:

Nadal não perdia antes da terceira fase de um Slam desde Wimbledon em 2005. Ele sofre sua pior derrota desde junho de 2007 contra Nicolas Mahut em Queen´s.

E o Karlovic ? Cantaram uns onze foot-faults contra ele contra o Murray e ele abriu o verbo contra os árbitros afirmando que os mesmos estão querendo favorecer Murray. Em parte é sim um chororô, mas onze foot-faults é um exagero que nunca vi.

Sobre as polêmicas da igualdade dos prêmios entre homens e mulheres levantadas por Gilles Simon. É uma discussão de anos e saturada.  As mulheres merecem ganhar bem assim como os homens, mas os homens jogam mais tempo, por mais sets nos Grand Slams. Eu adoraria ver NO MÍNIMO uma final feminina melhor de cinco sets. Entendo que o corpo delas é limitado para jogar um tanto de jogos longos como os homens, mas pelo menos uma final ficaria bem interessante.



MaisRecentes

51 vezes Nadal. Uma boa ideia



Continue Lendo

Djokovic está de volta!



Continue Lendo

Um racha no circuito ? 



Continue Lendo