Azedou…



A chave era favorável. Viktor Troicki é um ótimo tenista, mas dos cabeça de chave um dos que menos capacidade possui no piso de saibro. Mas os altos e baixos mentais e a parte física de Thomaz Bellucci não permitiram que o brasileiro avançasse em Roland Garros pela primeira vez após três anos.

Não podemos dizer que ele não lutou. Bellucci esteve 5/2 e duas abaixo no terceiro set, virou, teve quebras abaixo no quarto e quinto set, devolveu algumas delas, mas não deu.

Infelizmente a parte mental se alia em poucas oportunidades com a boa técnica do brasileiro e seu jogo vira uma montanha-russa de bons e maus momentos. Em torneios do mais alto nível contra jogadores de qualidade, esta oscilação faz o jogador pagar caro.

Agora ficou bem difícil de Thomaz ir aos Jogos Olímpicos. Ele defende 90 pontos em Paris, soma apenas 10 e pela projeção de hoje estaria caindo para o 75º lugar da ATP podendo piorar em algumas mais colocações já que estamos apenas na primeira rodada do Aberto francês. Por enquanto ele está uns quatro ou cinco postos de fora dos 56 classificados.

Mas existe uma luz no fim do túnel. Bellucci tem quatro challengers disponíveis na semana que vem para buscar pontos importantes nessa luta (Prostejov, Furth, Caltanissetta no saibro ou Nottingham na grama). O problema é que assim como Nice, Bellucci não se inscreveu em nenhum e teria que entrar ou com convite ou disputando o quali.

Como mudou a programação jogando o quali em Nice, vejo que Bellucci colocou a Olimpíada como prioridade então é possível que tente essa alternativa.

Não seria demérito nenhum jogar Challenger. Além de Bellucci estar nitidamente com nível caindo ultimamente ele sempre jogou challengers no fim dos últimos anos (mesmo não precisando) para atender o gosto da promora de torneios que agencia sua carreira. Então porque não jogaria agora ?

Palavras de Bellucci após o jogo: “A gente até cogitou jogar um em Prostejov na semana que vem. Mas,  eu fiz as contas e nem se for campeão vai dar para eu me classificar. Não sabemos o que vamos fazer”.

De acordo com meus cálculos – posso estar errado, se estiver alguém me corrija por favor – Bellucci teria que descartar 30 pontos do 18º melhor resultado e se for o campeão em Prostejov somaria 95 indo assim para 60 e poucos no ranking que o deixaria dentro de Londres.

A única explicação para que não busque isso seria alguma lesão. Bellucci pediu atendimento na perna no jogo hoje, mas pelas declarações após a partida não disse ser nada sério.

O brasileiro culpou o cansaço e erros pela derrota. Segundo ele o excesso de jogos da última semana pesou para não estar 100% no fim do jogo de hoje e sem estar 100% não consegue chegar bem nas bolas e ter precisão em seu jogo agressivo. Explicação lógica e que só acrescenta no ponto da parte física que deixa a desejar.

Os grandes tenistas não gostam de atuar na semana anterior a um Slam justo por isso, economizar físico para partidas de cinco sets. Mas este é um preço que Bellucci deveria pagar. Mas apesar de ter feito cinco jogos na semana passada, Bellucci teve a sexta, sábado e o domingo para descansar e tampouco teve partidas muito longas em Nice.

Curtinhas:

Federer e Djokovic tiveram alguns probleminhas mais do que o esperado na estreia, mas avançaram em sets diretos. Nada fora do comum. Estreia de Grand Slam é sempre complicado.

No feminino Azarenka escapou por pouco. 6/7, 0/4 e break contra diante da modesta Brianti e ela virou. Bastou colocar a cabeça um pouco mais no lugar que as bolas passaram a entrar. Simples assim. Ela saiu do jogo com 60 erros não-forçados. Precisa melhorar e muito para ter chances em Paris.



MaisRecentes

Djokovic a caminho de recordes



Continue Lendo

Indomável, Djokovic agora postula ida ao Nº 1. Brasil tem por quem torcer



Continue Lendo

Del Potro pisa mais forte que Nadal no US Open. NextGen ainda não embala



Continue Lendo