Não quero o Federer!



Definidos os cabeças de chave dos Playoffs que enfrentam os não-cabeças em duelo que vale vaga para o Grupo Mundial de 2013 e que será jogado entre os dias 14 e 16 de setembro. Cazaquistão, Itália, Alemanha, Suíça, Suécia, Israel, Canadá, Rússia enfrentam Brasil, Chile, África do Sul, Holanda, Bélgica, Austrália, Uzbequistão ou Japão.

Aqui as hipóteses dos locais dos confrontos do Brasil – Cazaquistão e Israel (sorteio) / Itália, Suíça e Rússia (casa) / Alemanha, Suécia e Canadá (fora)

Roger Federer já vem em dezembro jogar no Rio de Janeiro e São Paulo. Mesmo que sejam exibições, vai dar muita mídia, ajudará a popularizar o esporte e será bom para todos. Agora tê-lo aqui para um duelo de Playoff de Copa Davis será um tanto indigesto para uma equipe que não joga o Grupo Mundial desde 2003 e bateu na trave nos últimos seis anos. Logo, a Suíça surge como o pior adversário possível para o Brasil em casa.

Vamos então aos melhores oponentes. Lembrando que o sorteio só sairá na próxima quarta-feira, pela manhã. Cazaquistão e Israel seriam os melhores cenários em casa. O time cazaque tem jogadores intermediários e que num dia bom podem incomodar bastante. Os israelenses no saibro são fracos. Só temeria a dupla. Mas é bom que se lembre. É preciso sorteio de país-sede após o sorteio do adversário. Ou seja, teria que ser uma sorte dupla. Em caso destes dois fora de casa, não seria de todo mal, mais complicado pela piso rápido que escolheriam. Mesmo assim, bem vencíveis.

A Itália em casa não seria de todo mal, mas eles tem muitas alternativas e ótimos jogadores no saibro como Fognini, Seppi, Starace, uma boa dupla. Pior por aqui, além da Suíça, seria a Rússia. Mesmo não vivendo um bom momento, Davydenko e Youzhny jogam bem na superfície lenta.

Nas opções fora de casa. O Canadá pra mim seria a pior delas. Milos Raonic cresce cada vez mais e a dupla deles com o Daniel Nestor se torna bem complicada. A Suécia é aquela incógnita. Com o Soderling bem, fica outra pedreira, mas a mononucleose faz com que o ex-top 5 cogite até em parar se aposentar de acordo com especulações da mídia local. Sem mononucleose a situação do Brasil ficaria muito boa já que eles só possuem uma dupla forte e simplistas fracos.

A Alemanha seria outro páreo duro, mas que dá pra ganhar. Tem uma dupla boa com Kas e Petzschner e bons simplistas, mas que são acessíveis tanto num piso lento como num piso veloz e coberto.

O negócio agora é torcer bastante. Nos seis confrontos que jogamos nos playoffs desde 2006, apenas dois foram em casa. E nos últimos anos nossas chances de jogar em casa eram maiores do que desta vez. Quem sabe um sorteio legal para nos favorecer ?

E você qual seria o melhor cenário para o Brasil na repescagem ? Opine!



MaisRecentes

Djokovic, o mais completo de todos ?



Continue Lendo

51 vezes Nadal. Uma boa ideia



Continue Lendo

Djokovic está de volta!



Continue Lendo