É Davis, meu amigo!



Como já disse outras vezes ainda não vi uma exibição de gala de Thomaz Bellucci no Brasil. E hoje tampouco foi assim.  Valeu pela empolgação, o espírito de luta, a raça e claro, a virada espetacular.

Copa Davis é isso aí. É uma competição onde a pressão atua de forma diferente. Afinal se defende o país e os nervos são maiores. E o Brasil vinha com 1 a 0 contra a a responsabilidade nas costas dele.

Estava muito fácil. Bellucci jogava muito mal, errava pra tudo quanto é lado e sucumbia com os slices e jogo regular de Alejandro Falla e se via com 2 sets abaixo, breaks contra no 1º game da 3ª etapa.

Eis que Thomaz Bellucci ressurgiu das cinzas, passou a entrar mais quadra, arriscar mais, as bolas entraram e a confiança apareceu de um modo suficiente não para jogar seu melhor, mas sim para vencer que era o mais importante.

Sair com 2 a 0 abaixo seria péssimo para o Brasil, mas com 1 a 1 vem o alívio e as boas possibilidades de vitória. Quem ganhar a dupla dará uma tranquilidade para o jogador que entrará primeiro na quarta-feira: Bellucci ou Giraldo.

Não pense que será fácil. Juan Cabal foi vice de Roland Garros, acabou de fazer um bom resultado em Miami e Robert Farah saca muito bem.

Sobre Feijão. Teve lampejos de ótimo tênis, moderno e agressivo, mostrando defeitos de Giraldo que podem ser explorados por Bellucci como a bola alta em sua direita. Faltou experiência nos momentos importantes, em todos os sets, onde perdeu chances de quebra ou de confirmar o saque. Acontece. Não é fácil estrear em Copa Davis abrindo um confronto no Brasil e contra um jogador em boa fase e com ranking melhor.

Provavelmente tirou aquela ‘nhaca’ da estreia e se precisar definir no 5º jogo tende a jogar um pouco mais solto e diante de um rival mais desgastado.

Nos outros duelos da Davis incrível facilidade da Espanha. Apenas isso. A Argentina levou dois sustos. Nalbandian sofreu virada em jogo de 5h contra Cilic. Inesperado resultado, não a dificuldade do jogo. E as dúvidas em Del Potro que estava com vômitos, problemas estomacais. Mas Delpo não afinou, foi pra quadra e venceu Karlovic com autoridade.

Em Monte Carlo, Isner surpreendeu de novo, quase que varreu Simon de quadra e mostra potencial para derrubar Tsonga numa possível decisão de domingo. A dupla é crucial.

República Tcheca e Sérvia também mostram equilíbrio. Tipsarevic tirou vitória na raça e promete no domingo outra batalha decisiva contra Berdych. Pros sérvios, deixar para Troicki decidir no saibro seria uma péssima notícia.

Curtinhas:

Bellucci venceu pela primeira vez um jogo saindo de 2 sets abaixo e venceu pela quarta vez em 10 jogos onde foi ao 5º set. Falla perdeu pela quinta vez em oito disputados.



MaisRecentes

Nadal com caminho mais aberto. Bellucci regrediu



Continue Lendo

Nadal chega em Paris com sobras. Djokovic pode brigar



Continue Lendo

Nadal não será afetado por derrota em Madri. Zverev cresce, mas precisa confirmar em um Slam



Continue Lendo