Bellucci foi muito macho, mas o público hostil



Estive em Santiago em 2010, ano em que Bellucci foi o campeão. Na semifinal o brasileiro teve que enfrentar o fanatismo aliado à hostilidade da torcida no duelo contra Fernando Gonzalez na semifinal. Ele passou esta barreira, mas os hinchas chilenos perturbaram demais.

Ontem, no Ibirapuera não foi muito diferente. Quem sofreu foi o argentino Leonardo Mayer com a falta de educação de uma parte do público brasileiro. Comemorar o erro do adversário é absolutamente normal, afinal temos um brasileiro em quadra e em dificuldades no jogo, agora gritar no meio do ponto, na batida do argentino, o xingando, ficou até pior do que muitos confrontos de Copa Davis.

Nós e eu reclamamos demais da falta de público na Costa do Sauípe e aplaudimos a ida do Brasil Open para São Paulo que ganhou mais notoriedade por aqui e muitos adeptos no Ginásio do Ibirapuera, mas o público nacional exagerou e desrespeitou o argentino.

Mesmo que tenha sido bastante exagerado, o público deu aquele empurrão vital para Bellucci conseguir a virada. Aliás, poucas vezes vi o paulista se mostrar tão emotivo dentro de quadra. Bellucci ontem foi extrovertido, jogou pra fora seus sentimentos e teve muitos méritos ao saber chamar para si o público correndo atrás de todas as bolas e vibrando mais a cada ponto conquistado.

Bellucci ontem foi muito macho, colocou o coração na ponta da raquete e fez talvez seu jogo mais memorável em território brasileiro. Conseguiu aquela vitória que pode lhe fazer gerar uma melhor imagem no Brasil e retomar a confiança perdida no segundo semestre do ano passado (não vencia duas seguidas desde junho).

Que este espírito lutador prossiga durante toda a carreira do brasileiro.

Curtinhas:

O problema é a recuperação para hoje. O jogo de Bellucci terminou 0h30, ele deve ter ido dormir, se dormiu algo, umas 4h por conta da adrenalina, ou seja, não muito tempo para jogar às 15h30. O tenista não pode acordar na hora do jogo, tem que se adequar, fazer o aquecimento poucas horas antes da partida. Tudo isso fora o cansaço físico e mental que o jogo de ontem apresentou.

De qualquer forma a energia, confiança e motivação do brasileiro estão elevadas e o estilo de jogo de Volandri, mais cadenciado, com saque mais fraco, favorecem para que ele possa soltar seu jogo. O problema será se Volandri obtiver a mesma consistência do jogo contra Nalbandian. Aí a paciência de Bellucci será testada.



MaisRecentes

Djokovic a caminho de recordes



Continue Lendo

Indomável, Djokovic agora postula ida ao Nº 1. Brasil tem por quem torcer



Continue Lendo

Del Potro pisa mais forte que Nadal no US Open. NextGen ainda não embala



Continue Lendo