Federer e Nadal com chaves generosas



Foi definida a chave do Aberto da Austrália no fim da noite desta quinta-feira, já manhã de sexta no horário de Melbourne. Roger Federer e Rafael Nadal caíram do mesmo lado e podem fazer uma semi de Grand Slam que não jogam desde Roland Garros em 2005.

As possibilidades são ótimas se os dois tiverem em condições físicas adequadas – Federer vem de um problema nas costas e Nadal no ombro. Os adversários de ambos favorecem. Na estreia qualifiers. Na segunda fase um Tommy Haas capengando no circuito pro espanhol, e os nada assustadores Beck (ALE) ou Prodon (FRA) para Federer. Na terceira rodada o freguês e em má fase Melzer pro suíço e Ivan Ljubicic para Nadal. um pouco mais complicado se o croata sacar bem, mas ele não está em seu melhor momento. Para as oitavas Rafa pode se complicar um pouco mais com um Feliciano Lopez ou John Isner pelo saque e eventualmente com Nalbandian se o argentino chegar até lá – visto a incógnita de sua condição física.

Para Roger, Dolgopolov ou Verdasco podem atrapalhar um pouco, mas nem tanto. Para as quartas Nadal teria Berdych e Federer encararia Fish ou Del Potro – mesmo sem muita confiança nunca podemos deixar o argentino de fora. Mais complicado para Nadal já que Fish leva a fama de sempre morrer na praia – me perdoe o trocadilho infame.

Djokovic teve um sorteio um pouquinho mais complicado. Stepanek para a terceira rodada, um adversário sempre complicado por seu estilo chato de subir à rede e não dar ritmo. O ascendente e confiante Milos Raonic ou o sempre complicado Andy Roddick nas oitavas e o bravo e guerreiro David Ferrer para as quartas.

No lado de Murray a vida mais dura das quatro estrelas. A estreia mais complicada com o firme e talentoso americano Harrison. Um Malisse que é ótimo no piso rápido e costuma atrapalhar a vida de favoritos. Llodra ou Gulbis na terceira fase. Um Monfils confiante após vencer Nadal em Doha e cair na final e o vencedor do evento do Qatar, Jo Tsonga, que desde o ano passado se mostra em ótima forma.

No lado feminino a curiosidade fica por conta da condição física das favoritas. Serena Williams, Kim Clijsters, Caroline Wozniacki e Maria Sharapova passaram por lesões de última hora. A belga terá que pegar uma confiante Na Li nas oitavas e Wozniacki numa possível quartas. Interessante. Do outro lado temos Sharapova e Serena com a também embalada Kvitova.

Será a tcheca capaz de suportar a pressão de lutar para ser número 1 e confirmar o rótulo como a segunda favorita ? Pergunta que será respondida de acordo com o torneio e um novo desafio para ela ainda mais com monstras sagradas pelo caminho.

E os brasileiros ? Quis o destino colocar Dudi Sela no caminho de Bellucci mais uma vez. A chance da revanche. Mas novamente não vejo com bons olhos. Sela é aquela formiguinha que corre de um lado a outro e mina a confiança do brasileiro. Tomara que Thomaz jogue seu tênis com consistência do início ao fim. Se assim for, vencerá. E na segunda fase vejo poucas chances contra Monfils.

Ricardo Mello pega um quali. Lado positivo é o rival com ranking mais baixo. Lado negativo. Oponente vem com mais ritmo. Vencendo, pegaria Jo Tsonga.  Aí fico bem pessimista. João Souza pega o australiano Matthew Ebden. Confesso que nunca o vi jogar. Então não posso opinar. Mas certamente Feijão estará mais solto nesta segunda participação em um Grand Slam e a pressão é toda do tenista da casa.

 



MaisRecentes

Djokovic a caminho de recordes



Continue Lendo

Indomável, Djokovic agora postula ida ao Nº 1. Brasil tem por quem torcer



Continue Lendo

Del Potro pisa mais forte que Nadal no US Open. NextGen ainda não embala



Continue Lendo