O gênio despertou. Quem vai pará-lo ?



Roger Federer parecia estar hibernando nesta temporada. Eis que sob os holofotes da quadra coberta, voltou ao habitat natural, ressurgiu na semana passada e nesta quebrou o jejum sem títulos em Paris voltando a vencer um Masters 1000 pela primeira vez desde agosto do ano passado.

Federer ainda não ganhou de nenhuma fera do top 4, mas já mostrou que a vitória na Basileia fez muito bem. Derrotou dois algozes recorrentes neste e no ano anterior, Tomas Berdych e Jo Tsonga. Ah tudo bem os dois vieram de jogos desgastantes, mas Roger soube adminsitrar bem os momentos de pressão e fez atuações ao estilo que fazia na época que dominava o circuito até 2008.

Motivação para vencer Paris pela primeira vez e agora uma nova motiação para o suíço, desbancar a tropa das estrelas formada por Novak Djokovic, Andy Murray e Rafael Nadal no ATP World Finals, algo que raramente executou em 2011.

Destes três, dois chegam em condições físicas duvidosas e Federer é o melhor neste aspecto. Também pudera. Seu estilo agressivo e rápido na definição dos jogos (suas partidas geralmente não passam de 1h30min) acabam economizando energia e o poupando de dores e pelo segundo ano seguido o gênio se destaca no fim da temporada.

Só por estes motivos o ATP Finals, que começa no outro domingo em Londres, promete uma enorme briga e nunca esquecendo que Jo Tsonga, David Ferrer e Tomas Berdych podem surpreender. Mardy Fish é uma incógnita por sua lesão e falta de experiência neste tipo de competição.

Na minha concepção, jogando desse jeito com a confiança readiquirida é muito difícil bater Federer. Novamente quem tem a melhor tática é Rafael Nadal que segue à risca com as bolas altas em seu revés para tirar a confiança deste seu golpe. Mas o espanhol volta de lesão e sem ritmo.

Curtinhas:

Agora são 18 títulos de Masters 1000 de Federer. Nadal é o recordista com 19. O espanhol só não ganhou mais este ano por cotna de Novak Djokovic. Roger pode, em Londres, chegar à 100ª final na carreira e também ultrapassar Stefan Edberg se tornando o sexto maior vencedor de partidas do circuito. Ele tem 802 contra 806 do sueco.



MaisRecentes

Nem sempre se pode ganhar todas



Continue Lendo

Djokovic a caminho de recordes



Continue Lendo

Indomável, Djokovic agora postula ida ao Nº 1. Brasil tem por quem torcer



Continue Lendo