A confiança que Federer precisava. E nem Djokovic aguenta…



Dez meses sem títulos não é nada bom pra quem se acostumou a ganhar tanto. Some aí eliminações dolorosas perdendo match-points ou boas chances de mudar o curso nos torneios importantes. O resultado era um Roger Federer jogando bem, mas sem aquela essência vencedora que o fez dominar o circuito por cinco anos.

Nada como voltar pra casa, sentir os bons ares do torneio pelo qual já foi pegador de bolas, o evento que deu aquele impulso para tudo começar. Assim Roger Federer conquista a Basileia e mesmo que só tenha vencido rivais fregueses resgata aquela confiança meia esquecida que o fez sair do top 3 após oito anos.

Federer não só ganhou o torneio. Passou por cima de quase todo mundo. Mostrou que motivação ele tem de sobra pra disputar os torneios. O que faltava era a tal da confiança e ganhando, mesmo que seja um torneio menor, ela tende a reaparecer quando enfrentar os cachorrões nos principais eventos.

Paris vem aí e o principal desafio parece ser Andy Murray, que está no mesmo lado da chave. Aliás, o britânico não deve ter gostado de ouvir da boca do suíço que ele “não sabia o que queria da vida” ao reclamar do calendário e ainda pedir convite para jogar na Basileia e desistir momentos antes da estreia. Promessa de faísca caso este jogo ocorra.

E a dureza do circuito vitimou Novak Djokovic. O sérvio vem acusando problemas de lesão no ombro há séculos, mas vinha administrando até a série de jogos (venceu 67, perdeu 4) começarem a influenciar no fim da temporada do verão americano. Veio um problema sério nas costas, seis semanas sem jogar e agora o ombro novamente atrapalha a quase perfeita temporada. Alguns veículos apontam que ele não jogará Paris. Uma pena, o torneio perde com isso e o circuito segue fadado às desistências de fim de ano. Rafa Nadal é outro que está fora.

Curtinhas:

A boa campanha de Marcel Granollers pelo segundo ano seguido em Valência só me faz crer que Thomaz Bellucci pode UM DIA jogar bem no piso rápido. O espanhol não tem nada demais em seu jogo. E Bellucci tem qualidade. Que ainda não foi bem explorada na superfície.



MaisRecentes

Djokovic a caminho de recordes



Continue Lendo

Indomável, Djokovic agora postula ida ao Nº 1. Brasil tem por quem torcer



Continue Lendo

Del Potro pisa mais forte que Nadal no US Open. NextGen ainda não embala



Continue Lendo