Para o bem do tênis brasileiro. Beneficiará Bellucci e Feijão



Finalmente o maior torneio do Brasil sairá da paradisíaca, porém esvaziada Costa do Sauípe. Depois de muitos anos de especulação e renovação, a incompatibilidade de datas – leia-se Carnaval e falta de lugares nos hotéis – trouxe o Brasil Open para São Paulo.

O torneio na Bahia só era bom para o coorporativismo. Um ambiente agradável, com dezenas de áreas VIP, propício para se fechar negócios e curtir as praias e a bela estrutura.

Nada por ali ajudava no desenvolvimento do esporte. A começar pelo baixo público, fruto da distância dos grandes centro de tênis do país (Sul-Sudeste). Nem mesmo o povo de Salvador se deslocava por mais de uma hora de carro para lotar os jogos.

Na capital paulista, o principal centro tenístico do Brasil, a promessa é de casa cheia em quase todos os dias (segunda-feira normalmente não é um dia bom em quase todos os torneios). Com mais gente assistindo in loco, maior a chance dos jovens e crianças se apaixonarem e começarem a praticar o esporte. Por consequência, no futuro, maiores chances de jogadores.

A única notícia ruim é que o Brasil Open será disputado logo após a Copa Davis, o que dificulta a aparição dos tops – será necessário um cachê alto para que algum top 10, top 15 apareça. Mesmo assim, facilita a logística para quem estiver na gira latino-americana no saibro que começará em Santiago e após o Brasil seguirá para Buenos Aires e Acapulco.

Bellucci e Feijão ganham – Jogos numa pequena altitude (São Paulo tem entre 500, 600m) no saibro e coberto tendem a beneficiar os estilos de jogo de João Souza, o Feijão, e Thomaz Bellucci. Os dois tem seus melhores resultados nestas condições. Bellucci ganhou seus únicos ATPs em Santiago (altitude similar a de SP) e Gstaad (mais de 1 mil metros) e Feijão fez semis em Santiago e Kitzbuhel.

Curtinhas:

Depois de belas apresentações na Copa Davis na Rússia, Bellucci recebeu um choque de realidade sobre o piso rápido. Derrota para Juan Carlos Ferrero na estreia de Pequim e um ano, por enquanto, para ser esquecido na superfície. O brasileiro não conseguiu ainda ganhar mais do que um jogo por torneio. Medíocre para quem tem qualidade e deseja alcançar o top 20. É levantar a cabeça e partir para Xangai. O tênis dá a oportunidade de se recuperar na semana seguinte.



MaisRecentes

Djokovic a caminho de recordes



Continue Lendo

Indomável, Djokovic agora postula ida ao Nº 1. Brasil tem por quem torcer



Continue Lendo

Del Potro pisa mais forte que Nadal no US Open. NextGen ainda não embala



Continue Lendo