Federer aqui no Brasil ? Não, Obrigado!



Saiu a lista dos oito países cabeças de chave dos Playoffs do Grupo Mundial em setembro e que enfrentam os outros oito países não-cabeças. Um sorteio será feito nesta quarta-feira para definir os jogos e o Brasil torce para ter um adversário favorável.

Meu post anterior já havia antecipado que a Suíça podia surgir como um dos cabeças e foi o que aconteceu. Entrou como favorita no lugar da Romênia. Além dela temos a República Tcheca, Croácia, Israel, Chile, Áustria, Rússia e Índia.

Das oito possibilidades, contra seis adversários jogaríamos em casa – Suíça, Áustria, Chile, Índia, Croácia e Rep. Tcheca. Diante de russos e israelenses iríamos ainda para sorteio. Ou seja, só tendo azar para jogar fora.

Muita gente quer ter o prazer de ver a Suíça com Federer aqui no Brasil. Confesso que seria muito bom ter o gênio das quadras desfilando seu talento pela primeira vez aqui. Daria um foco enorme pro tênis na mídia por aqui.

Mas por outro lado é o pior cenário para o Brasil jogar em casa. Apesar da nostalgia que proporcionaria, seria muito difícil derrotar Federer e Wawrinka em qualquer superfície ou condição climática. E é preciso pensar no seguinte. O Brasil não joga o Grupo Mundial desde 2003 e foi derrotado nos Playoffs nas últimas cinco temporadas.

Vejamos agora outras situações. Não gostaria de ter a República Tcheca aqui em casa também. Tomas Berdych e Radek Stepanek são excelentes tenistas mesmo que Bellucci já tenha superado o primeiro em duas oportunidades.

A Rússia tanto dentro quanto fora não é legal. Mikhail Youzhny e mesmo um Nikolay Davydenko em fase ruim são indigestos em qualquer superfície.

A Croácia tem Marin Cilic e talvez Ivan Ljubicic (este havia se aposentado da Copa Davis, mas jogou no ano passado contra a Sérvia), dois ótimos tenistas, mas que não são tudo isso na superfície lenta. Seria um pouco melhor que os tchecos, por exemplo.

A Áustria seria um duelo bem parelho a ser decidido muito provavelmente nas duplas. Eles têm Jurgen Melzer e uma boa dupla dele com Julian Knowle. O número 2 de simples deles é bem acessível aos brasileiros.

O Chile se torna uma boa opção. Fernando Gonzalez vem evoluindo, mas não é aquele tenistaque era temido até o ano passado. Nicolas Massu está decadente e os jogadores brasileiros tem qualidade para bater Paul Capdeville. Nossa dupla também é melhor que a deles.

Mas o melhor sorteio seria com a Índia ou Israel aqui no Brasil. Eles não são legais no piso lento. Os israelenses na casa deles, provavelmente no piso rápido, não é de todo mal. Seria parecido com que enfrentamos em setembro passado. Um time com um simplista top 100 mediano, uma ótima dupla e o segundo simplista fraco.

As opções estão aí. Agora você, caro leitor, pode opinar!





MaisRecentes

51 vezes Nadal. Uma boa ideia



Continue Lendo

Djokovic está de volta!



Continue Lendo

Um racha no circuito ? 



Continue Lendo