Djokovic, o merecido Nº 1. A cereja no bolo ou a água no chope ?



Novak Djokovic, novo número 1 do mundo, sem contestação. Muito merecido. 48 vitórias em 49 partidas em 2011, sete títulos conquistados, um deles de Grand Slam (Australian Open) e outros quatro Masters 1000 (Miami, Indian Wells, Roma e Madri). Vitórias sobre Rafael Nadal (4), Roger Federer (3) e Andy Murray (2).

De quebra garante a vaga em sua 1ª final de Wimbledon, torneio que ele mais sonha em ser campeão. Agora é a cereja no bolo com o título ou a água no chope caso fique com o vice diante de Rafael Nadal ?

Para que os menos acostumados com o tênis entendam. O ranking de entradas da ATP conta o desempenho dos tenistas nas últimas 52 semanas. Nadal tem 12070 pontos e Djokovic 12005. O espanhol não pode somar nada pois é o atual campeão e mesmo ganhando o troféu permanecerá com a mesma soma. Djokovic, por sua vez, fez semis em 2010 (720 pontos) e já tem 1200 deste ano com a final. Portanto chegará no mínimo, aos 12485 (13285 se for o campeão).

Sobre a final. Não há favorito. Nadal e Djokovic chegam com campanhas iguais. Cada um perdeu três na competição. Cada um jogou basicamente o mesmo tempo nas semis (Nadal 2h59min, Nole 3h07min).

Os dois têm vantagens e desvantagens sobre o outro. Nole tem o ótimo retrospecto mental na temporada. Ganhou de Nadal quatro vezes e todas em finais, duas delas no piso favorito do espanhol. Em contrapartida, Rafa venceu todos os cinco jogos em Grand Slams disputados entre eles e tem uma série de 20 jogos de invencibilidade na grama do All England Club (campeão de 2008, 2010 e não jogou em 2009).

Djokovic tirou um peso enorme das costas que é o de ser número 1 do mundo. Mesmo assim nunca disputou uma final de Wimbledon, torneio mais tradicional do tênis e que mais sonha vencer, enquanto que o tenista do outro lado ganhou duas vezes e disputa sua quinta final.

Lado técnico e tático. Vejo atributos diferentes favorecendo o espanhol ao compararmos com as outras partidas. Está com um jogo mais agressivo no saque e no fundo de quadra. Atacando mais no forehand, no revés e jogando mais dentro da quadra, subindo de vez em quando à rede e variando com slices. E assim deve permanecer para olher frutos contra Nole.

O que aconteceu, sobretudo no saibro, foi que, em 1º lugar, o serviço de Nadal não foi tão efetivo e Djokovic imprimiu um jogo defensivo com contra-ataques mais eficientes que o do espanhol além de comandar os pontos atacando o revés e tirando Nadal da quadra.

Para domingo, Nole não terá todo este tempo (pelo quique mais rápido da bola) para defender como o fez no saibro e como sempre deve tomar as rédias do ponto. A começar pelo bom serviço para depois devolver bem o saque do espanhol. Sempre indo na dosagem certa. Se exagerar no jogo defensivo ou no agressivo, vai pagar.

Meu palpite é a vitória de Nadal. Mas confesso que fiquei muito em cima do muro.

Sobre as semis. Andy Murray caminha a passos largos para se tornar um novo Tim Henman. Três semis seguidas e três derrotas. Uma pena. Jogador com muito talento e que merece ganhar seu primeiro Grand Slam, mas cada vez mais esbarra numa síndrome e na pressão de nenhum local ganhar por lá desde Fred Perry em 1936. O escocês fez tudo certo no 1º set. Super agressivo, envolvente. Mas bastou errar algumas bolas seguidas e ele foi quebrado, perdeu o controle, a confiança e se desesperou. Faltou manter a consistência e agressividade por mais tempo.

A perda do 1º set custou caro pro Tsonga. Jogou como fez contra o Federer, mas viajou na Hora H e o sérvio fechou a porta. Tentou reagir, mas foi em vão. O sérvio sentiu claramente o momento de fechar o jogo. Fez 4/2 foi quebrado depois sacou pra partida no terceiro set, foi quebrado. A sorte é que o Tsonga estava meio avariado fisicamente e ele tinha boa margem no placar.

Curtinhas:

Na final feminina minha aposta é em Sharapova pela experiência. Mas Kvitova é uma ótima jogadora, muito agressiva e canhota, o que dificulta sempre pra uma destra como a Maria.

Brasil lutando pela final de duplas juvenil no feminino. Torcendo por Beatriz Maia, de apenas 15 anos.



MaisRecentes

Indomável, Djokovic agora postula ida ao Nº 1. Brasil tem por quem torcer



Continue Lendo

Del Potro pisa mais forte que Nadal no US Open. NextGen ainda não embala



Continue Lendo

Emoções no US Open



Continue Lendo