Tsonga monstro. Federer tem que ter raiva da derrota



A típica derrota em que Roger Federer, e nem seu torcedor, tem do que lamentar. Jo-Wilfried Tsonga começou lento, foi melhorando aos poucos, jogou um bom segundo set, mas falhou no tie-break e depois foi um monstro em quadra.

Saiu soltando pancadas no fundo de quadra e quebrou Federer nos três sets restantes sempre no início aderindo confiança assim ao seu serviço e sempre deixando o suíço pressionado e praticamente sem saber o que fazer diante do poderoso serviço do francês.

Por vezes acreditei que Tsonga iria dar aquela amarelada no quinto set, mas isto não aconteceu e agora quero ver o Djokovic segurar o francês que mais uma vez entrará sem nada a perder em quadra e ultra confiante. Tsonga já derrotou Nadal em Queen´s, bateu Federer hoje. Será que pode eliminar Djokovic na semi ? Fazer a fila na grama dos três melhores do mundo ? Eu acho que sim. Mas Tsonga precisa evitar comemorar muito este triunfo e acreditar que pode ser campeão. Em muitos casos, tenistas ‘relaxam’ após bateram os melhores do mundo.

Pelo lado do Federer acredito que ele precisa sair com uma raiva tremenda dessa queda para melhorar e voltar mais forte no próximo torneio. É a segunda vez seguida (outra em Roland Garros) que o vejo dizendo que “esta derrota é mais fácil de digerir do que a outra. Vou ficar desapontado, chateado, mas por alguns dias só”.

Óbvio que de forma nenhuma ele deve se esfacelar por uma queda onde definitivamente o adversário foi melhor e ele tinha pouco a fazer. Mas faz parecer que ele está aceitando e se acostumando muito fácil com suas decepções que estão sendo recorrentes.

Como já disse anteriormente. Federer precisa trabalhar o lado tático do jogo dele contra determinado tipo de jogador. Tudo é uma maravilha quando ele está na frente do placar,  a confiança vem naturalmente. Mas quando é apertado e está atrás do placar contra tenistas de calibre, nem sempre o improviso e o talento basta para virar.

Esse menino Tomic já está dando trabalho aos 18 anos e, se manter a cabeça no lugar, vai chegar rapidinho no top 20, top 15. Não ganhou do Soderling, Malisse, Davydenko e Andreev por acaso. Tem golpes planos e bons dos dois lados, varia muito bem com slice, tem um bom serviço e personalidade. Chegou a estar na frente no terceiro set, mas sofreu um apagão. Natural para um garoto neste tipo de torneio nesta rodada diante da estirpe de jogador como Djokovic.

O sérvio não tem Federer pelo caminho. Bom por um lado. Ruim por outro. Joga outra vez pressionado com a partida que pode lhe dar o Nº 1 do mundo e por ser o favorito. Terá que ter atenção na devolução, um de seus fortes. Se conseguir ler bem o potente serviço de Jo-Wilfried, é um bom caminho para sair com a vitória.

Nadal x Murray – O espanhol jogou hoje e seguirá atuando com o pé esquerdo anestesiado. Consegue ficar até cinco horas sem dores, tempo suficiente para jogar uma maratona. Mostrou um bom tênis diante de Mardy Fish, mas terá que jogar melhor para bater Andy Murray. O escocês vem crescendo na hora certa no torneio fazendo apresentações mais consistentes.

No geral os dois tenistas estão firmes na competição tanto no fundo quanto no saque. Tem tudo para ser outro jogão decidido nos detalhes. Um ponto ruim, com o braço encolhido, com erro em hora importante pode decidir um set e influenciar na cabeça.

E não tem jeito. Murray tem que lembrar o que fez no Australian Open de 2010 quando jogou muito agressivo desde o serviço. Nadal não pode recuar e precisa manter postura de ficar dentro da quadra atacando.

Meus palpites. Final masculina – Nadal x Djokovic. Final feminina – Sharapova x Azarenka. E o seu ?



MaisRecentes

Nadal chega em Paris com sobras. Djokovic pode brigar



Continue Lendo

Nadal não será afetado por derrota em Madri. Zverev cresce, mas precisa confirmar em um Slam



Continue Lendo

Triplo 11 de Nadal ?



Continue Lendo