Davis – Decisão acertada do capitão. Como seria sua escalação ?



Com um pouco de atraso escrevo sobre a Copa Davis. Brasil convocado para o duelo contra o Uruguai entre os dias 8 e 10 de julho, duelo no Carrasco Lawn Tennis Club, em Montevidéu.

E o time esta renovado e com alteração tática. Thomaz Bellucci permanece junto com Bruno Soares que é o único duplista do time. Entram Rogério Dutra Silva e João Souza, o Feijão, que terão a primeira chance no time titular.

Ricardo Mello optou por não jogar a Copa Davis para jogar o WTT, World Team Tennis, nos Estados Unidos segundo informação do meu colega jornalista Alexandre Cossenza. Certamente o saibro uruguaio não seria bom para Mello (que prefere quadras mais rápidas) e aos 30 anos de idade ganhar um $$ valioso em solo americano pode ser o ideal.

Marcelo Melo não vai para o Uruguai, na minha opinião, por dois motivos. O primeiro é que desde que retornou da lesão no tornozelo não vem fazendo um bom papel no circuito. A segunda é a razão tática. Ficar com um duplista e três simplistas faz com que o time ganhe uma opção a mais para o caso de algum deles sentir algum problema físico ou cansaço, como já aconteceu no último confronto diante da Índia. Thomaz Bellucci e Mello fizeram jogos ultra desgastantes na sexta-feira debaixo de um calorão e não suportaram no domingo. Thomaz inclusive abandonou.

Feijão e Rogerinho representam sangue novo no time, bom para ter opções pro futuro, colocá-los neste tipo de confronto para sentir a pressão e ganhar experiência em Copa Davis. O lado arriscado é que ambos não tem experiência em partidas de cinco sets e fica a dúvida sobre o quanto podem aguentar caso os jogos se alonguem para quatro ou cinco horas.

Pro duelo contra o Uruguai, a primeira opção é usar Thomaz e Rogerinho no 1º dia nas simples, Feijão e Soares nas duplas. Caso Thomaz não se canse no jogo contra Marcel Felder ou Martin Cuevas, poderia jogar nas duplas também.

Mas acredito que a cabeça de Zwetsch pode estar confusa sobre o segundo simplista. Rogerinho jogou uma vez contra Pablo Cuevas e perdeu em três sets e Feijão ganhou as duas contra o mesmo rival incluindo uma no início deste ano. Sempre fica a dúvida e o quebra-cabeça na mente do capitão. Quem eu vou escalar ?

Vou com o meu jogador que queria pra dupla pra jogar o primeiro dia de simples um jogo duro e posso cansá-lo pro sábado e talvez até pro domingo. Mas em contrapartida, posso usar o Bellucci no sábado, mas cansá-lo pro domingo no jogo que pode ser decisivo contra o Pablo Cuevas. De qualquer forma sempre terá a 3ª opção de simples, o coringa. Tanto Feijão quanto Rogerinho tem tudo para ganhar até fácil de Felder ou Martin, daí se a decisão for pro 5º jogo vai o que estiver mais inteiro e confiante.

Então pessoal. O que acharam das novidades no time ? Qual seria a formação ideal de vocês pro confronto ? Mandem seus palpites!

 

Curtinhas:

Robin Soderling fora do confronto Suécia x Sérvia em Halmstad,na Suécia. Chance para Christian Lindell, o carioca-sueco ? Não. Como o confronto é no piso rápido, ele fica de fora.



MaisRecentes

Djokovic a caminho de recordes



Continue Lendo

Indomável, Djokovic agora postula ida ao Nº 1. Brasil tem por quem torcer



Continue Lendo

Del Potro pisa mais forte que Nadal no US Open. NextGen ainda não embala



Continue Lendo