Nadal voltou a ser o Nadal



Da água pro vinho. Depois de atuações fraquíssimas, muito abaixo do esperado pelo que costuma fazer no saibro e pelo que fez nesta temporada, Rafael Nadal tirou da cartola sua melhor apresentação contra Robin Soderling.

Entrou com outra motivação em quadra, muito mais ligado, rápido de pernas e mostrando toda sua intensidade e consistência jogando com bolas profundas e posicionado mais dentro de quadra desde o início.

Eu diria que o espanhol foi soberbo nesta quarta-feira e mexeu muito na confiança do sueco. Quando acontece isso, sua precisão vai pro espaço e os erros aparecem.

A vitória com tal performance traz uma confiança enorme que estava totalmente de lado em Paris e o transforma em favorito contra Andy Murray numa semifinal que promete pontos longos e muita briga e correria dos dois jogadores.

Alguns dados sobre as semis:

– Pela primeira vez desde Roland Garros em 2006, os 4 melhores jogam a semi de um Grand Slam;

– 3º encontro seguido entre Federer x Nole na semi de um Grand Slam que nunca se enfrentaram em Roland Garros. No total são 8 encontros em Slams;

– Djokovic será o número 1 se vencer Federer. O suíço pode tirar e dar em seguida a liderança ao sérvio se derrotá-lo na semi e bater Nadal na final. Curioso não ?

– Djokovic busca a 1ª final em Paris, assim como Murray que atinge seu melhor resultado no torneio. Nole perdeu as duas semis que fez na França em 2007 e 2008 para Nadal;

– Esta é a 2ª vez que Federer alcança a semi de Roland Garros sem perder sets e a 7ª em Slams;

– Nadal venceu sua 43ª em 44 partidas em Paris;

No feminino, Sharapova mostrou que está tinindo e bem adaptada ao saibro. Está com pinta de campeã, mas do outro lado tem uma tenista brava e tão agressiva quanto ela que pode surpreender, a chinesa Na Li. Schiavone é a favorita contra Bartoli na minha opinião.

Derrotas brasileiras – Thomaz Bellucci e Jarmila Gajdosova, da Austrália, perderam nos detalhes nas semis de duplas mistas. No juvenil, João Sorgi também caiu, nas oitavas.



MaisRecentes

O legado Andy Murray



Continue Lendo

Federer começa animador em 2019. E não podemos dispensar Djokovic



Continue Lendo

O ano abaixo da crítica do tênis brasileiro 



Continue Lendo