Pobre Nadal na estreia



Como havia frisado no post após o sorteio da chave, a primeira rodada de Rafael Nadal não era nada fácil com o tipo de jogador que tinha que enfrentar. Um vacilo e ele poderia se desgastar à toa. Mas foi ainda pior. Precisou jogar 5 sets pela primeira vez em 40 partidas no saibro parisiense e teve que ficou quatro horas em quadra.

Nadal liderava tranquilo 6/4 3/1, mas bobeou, deixou o jogou ir pro tie-break, viu o rival sacar demais e ainda explorar seu backhand grudando na rede.

John Isner é pior jogador para se enfrentar em uma estreia onde ainda existe a falta de costume com a quadra e a pressão por ser o favorito. Típico jogador corta-físico, ou seja, não dá ritmo no fundo de quadra. Potente saque, poucas trocas, subidas à rede, indo pros winners no fundo. Fez ainda um dano maior com a nova bola mais dura e rápida.

O braço de Nadal, sobretudo no backhand, parecia estar encolhidinho nos dois tie-breaks definitivamente sentindo a pressão. A sorte do espanhol é que Isner não é aquele ganhador nato. Sentiu a ansiedade pela chance de vitória, mudou a tática indo de forma mais afobada pros winners e se prejudicou.

Certamente ele não deve seguir tão mal assim nas próximas fases. Por isso os fãs do espanhol não precisam se desesperar. Mas caso não melhore aí a encrenca aumenta e quando pegar um tenista de maior calibre pela frente, poderemos ter uma surpresa por aí. Nikolay Davydenko, com confiança, é um candidato, na 3ª Rodada.

Novas bolas geram polêmica – Para Roger Federer as novas bolas são boas pro seu jogo, mais rápidas, influenciam na agressividade e o serviço. Mas por outro lado o suíço reclamou do troca-troca de Roland Garros. Segundo ele, todos os torneios da gira europeia no saibro da ATP mudaram para as bolas que eram jogadas em Paris até o ano passado, mas o Grand Slam francês trocou novamente.

Com justiça o argumento de Federer. Você joga por dois meses com uma bola e depois na principal competição tem que jogar com outra totalmente diferente. Isso não agrada ninguém.

Pagaram caro – Tomas Berdych e Nicolas Almagro eliminados na estreia em batalhas de cinco sets diante de qualifiers após fazer 2 sets a 0. O que eles têm em comum ? Jogaram na semana anterior e foram longe em Nice (França).

Atitude nada positiva. O tenista cansa, chega em cima do lance pro torneio mais importante (Roland Garros dá 2000 pontos e Nice 250) e tem pouco tempo de adaptação. Está aí o resultado.

Não vai me surpreender se Caroline Wozniacki, por exemplo, não alcance o  sonhado 1º Grand Slam e tampouco vá às   rodadas finais já que fez a mesma coisa que os dois citados acima. Legal foi a estreia de Maria Sharapova. Agressiva e consistente. Se mantiver o nível pode dar samba no pó de tijolo francês. Kim Clijsters foi bem também, apesar de alguns viajadas.

Dia de torcer – Thomaz Bellucci x Andreas Seppi nesta quarta-feira por volta das 9h, 9h30. Desta vez teremos sinal de transmissão para o jogo que será realizado na quadra 6, ao lado da Philippe Chatrier.



MaisRecentes

O legado Andy Murray



Continue Lendo

Federer começa animador em 2019. E não podemos dispensar Djokovic



Continue Lendo

O ano abaixo da crítica do tênis brasileiro 



Continue Lendo