Será que Djokovic tem gasolina para aguentar Nadal ?



Que jogo de tênis nós tivemos amigos. Mais um baita espetáculo este ano com muitas alternativas de jogo, mudanças táticas, reviravoltas mentais e Novak Djokovic outra vez vencedor, pela 38ª seguida, 36ª em 2010.

A pergunta continua. Quem vai parar o sérvio ? Será que Rafael Nadal consegue neste domingo a partir das 11h ?

Tenho minhas dúvidas e ficarei em cima do muro. Vamos aos pontos principais:

– Djokovic segue muito confiante, distribuindo bem as pancadas no fundo,variando com deixadas e sacando muito bem

– Nadal vem evoluindo na semana, mas não está jogando de forma exuberante, segue cometendo alguns erros bobos. O saque deu uma melhorada em relação à Madri

– Mesmo estando em forma física exuberante, o sérvio chega à final com desvantagem. Jogou 3h na semi contra metade do tempo de Nadal, sentiu dores na perna e ainda terá menos de 17h de descanso contra 24h do número 1.

– Por outro lado, Nole chega com uma vantagem mental. Venceu os 3 últimos encontros e o derradeiro no saibro, superfície onde nunca havia ganho de Nadal.

Dados estes fatores, imagino que Djokovic não vai querer alongar muito a partida e virá pra cima de Nadal. Não é negócio pra ele jogar mais 3 sets e 3h. Assim como o espanhol deve querer evitar que Nole domine os pontos e adote uma postura mais ofensiva, indo pros winners e com um serviço mais potente do que na Espanha.

De qualquer forma, se a avaria física do sérvio não for tão grande, temos tudo para ter um jogo bem mais disputado do que na semana e muito equilibrado.

Que vença o melhor!

Curtinhas:

Andy Murray mais uma vez deu uma amarelada. Teve 4/3 e saque, 5/4 e saque, 30/30 e 40/40 salvando dois breaks e afinou o braço, deu dupla-falta e permitiu a reação de Djokovic.  Notável sua melhor no saibrocomo havíamos dito em Monte Carlo, mas em matéria de amarelar ele não deve muito ao saudoso Tim Henman.



MaisRecentes

O legado Andy Murray



Continue Lendo

Federer começa animador em 2019. E não podemos dispensar Djokovic



Continue Lendo

O ano abaixo da crítica do tênis brasileiro 



Continue Lendo