Nadal na marra. Bruno Soares brilha



Andy Murray deu uma resposta aos corneteiros de plantão que criticaram a opinião deste blogueiro que vos fala. Recebo muito bem às cornetadas de alguns de vocês (são poucos), é bem saudável debater, enriquece tanto a mim quanto aos demais leitores com conteúdo, mas desde que seja com educação e sem ofensas.

Lembro bem de uma frase de Fernando Meligeni numa de minhas mil entrevistas com ele quando era capitão do Brasil na Copa Davis – “o tênis é cíclico”. Este esporte muda a toda hora. Murray que não estava jogando nada desde a derrota na Austrália, ganhou dois, três jogos, readiquiriu parte da confiança e quase aprontou pra cima de Rafael Nadal que, assim como havia afirmado, segue sem jogar seu melhor tênis em Monte Carlo.

Contribuíram, é claro, os 18 erros não-forçados do espanhol no segundo set, mas Andy provou o seu valor e que, se conseguir manter tal nível por período maior de tempo, pode sim derrotar Nadal no saibro.  O escocês tem o arsenal de golpes para derrotar qualquer um do circuito e só não é número 1 do mundo pois ainda tem a mente frágil, principalmente nas rodadas decisivas de Grand Slams. Sem dúvida este resultado vai levantar seu moral abalado para o restante do ano.

O espanhol, por sua vez,  segue mostrando porque é o Número 1 . Viu que as coisas estavam péssimas e tratou de readiquirir confiança usando a tática do balão no início do terceiro set e se aproveitou da queda de regularidade de Andy.

Briga pelo Número 2 do ano – Agora, para este domingo, se Nadal jogar mal ou mais ou menos, vai ter que sofrer as mesmas 3 horas de hoje ou pode até perder para um confiante, valente e regular David Ferrer. Detalhe curioso. Quem for o campeão ascende como o segundo melhor da temporada. O derrotado sai com o terceiro lugar e Roger Federer automaticamente cai pra quarta posição.

Quebra de jejum ? Nadal ganhou 29 das 31 finais realizadas no saibro. O único a derrotá-lo foi Roger Federer em Madri 2009 e Hamburgo 2007. Se vencer o 30º caneco iguala Bjorn Borg, recordista de Roland Garros com seis canecos, e os espanhois Manoel Orantes e Jose Higueras. Acima somente Thomas Muster com 40 e Guillermo Vilas com 45.

Brasil na final – Desde 2003 em Indian Wells, há mais de oito anos, não tínhamos o Brasil representado numa final nível Masters 1000. Na época Guga havia perdido para Lleyton Hewitt. Nosso último título foi em agosto de 2001 com Kuerten em Cincinnati.

Bruno Soares atingiu a decisão ao lado do argentino Juan Ignacio Chela em Monte Carlo na primeira semana juntos derrotando os vice-campeões do US Open e dupla número 8 do ano. Se vencerem entram no top 8 ultrapassando o próprio Soares e Marcelo Melo que ocupam o nono lugar da temporada.

Melo segue com o tornozelo lesionado. Obviamente ele está torcendo para o Bruninho, mas a pulga segue atrás da orelha. Afinal, os dois nunca venceram um jogos de Masters 1000. Jogaram pouco é verdade, cerca de cinco torneios.

Nadal na marra. Bruno Soares brilha
Andy Murray deu uma resposta aos corneteiros de plantão que criticaram a opinião deste blogueiro que vos fala. Recebo muito bem às cornetadas de alguns de vocês (são poucos), é bem saudável debater, enriquece tanto a mim quanto aos demais leitores com conteúdo, mas desde que seja com educação e sem ofensas.
Lembro bem de uma frase de Fernando Meligeni numa de minhas mil entrevistas com ele quando era capitão do Brasil na Copa Davis – “o tênis é cíclico”. Este esporte muda a toda hora. Murray que não estava jogando nada desde a derrota na Austrália, ganhou dois, três jogos, readiquiriu parte da confiança e quase aprontou pra cima de Rafael Nadal que, assim como havia afirmado, segue sem jogar seu melhor tênis em Monte Carlo.
Contribuíram, é claro, os 18 erros não-forçados do espanhol no segundo set, mas Andy provou o seu valor e que, se conseguir manter tal nível por período maior de tempo, pode sim derrotar Nadal no saibro. O escocês tem o arsenal de golpes para derrotar qualquer um do circuito e só não é número 1 do mundo pois ainda tem a mente frágil, principalmente nas rodadas decisivas de Grand Slams. Sem dúvida este resultado vai levantar seu moral abalado para o restante do ano.
Briga pelo Número 2 do ano – Agora, para este domingo, se Nadal jogar mal ou mais ou menos, vai ter que sofrer as mesmas 3 horas de hoje ou pode até perder para um confiante, valente e regular David Ferrer. Detalhe curioso. Quem for o campeão ascende como o segundo melhor da temporada. O derrotado sai com o terceiro lugar e Roger Federer automaticamente cai pra quarta posição.
Quebra de jejum ? Nadal ganhou 29 das 31 finais realizadas no saibro. O único a derrotá-lo foi Roger Federer em Madri 2009 e Hamburgo 2007. Se vencer o 30º caneco iguala Bjorn Borg, recordista de Roland Garros com seis canecos, e os espanhois Manoel Orantes e Jose Higueras. Acima somente Thomas Muster com 40 e Guillermo Vilas com 45.
Brasil na final – Desde 2003 em Indian Wells, há mais de oito anos, não tínhamos o Brasil representado numa final nível Masters 1000. Na época Guga havia perdido para Lleyton Hewitt. Nosso último título foi em agosto de 2001 com Kuerten em Cincinnati.
Bruno Soares atingiu a decisão ao lado do argentino Juan Ignacio Chela em Monte Carlo na primeira semana juntos derrotando os vice-campeões do US Open e dupla número 8 do ano. Se vencerem entram no top 8 ultrapassando o próprio Soares e Marcelo Melo que ocupamo nono lugar da temporada.
Melo segue com o tornozelo lesionado. Obviamente ele está torcendo para o Bruninho, mas a pulga segue atrás da orelha. Afinal, os dois nunca venceram um jogos de Masters 1000. Jogaram pouco é verdade, cerca de cinco torneios.


MaisRecentes

Djokovic a caminho de recordes



Continue Lendo

Indomável, Djokovic agora postula ida ao Nº 1. Brasil tem por quem torcer



Continue Lendo

Del Potro pisa mais forte que Nadal no US Open. NextGen ainda não embala



Continue Lendo