Somos melhores que o Pablo Cuevas



A Colômbia, a cada confronto que passa, me surpreende negativamente na Copa Davis. Assisti a praticamente todos os jogos do duelo em Montevidéu e vi um Santiago Giraldo e Alejandro Falla literalmente afinarem o braço nos jogos decisivos assim como não corresponderam à altura quando enfrentaram o Brasil nos últimos anos.

Em contrapartida, O Pablo Cuevas, me permita chamar assim e não de Uruguai – colocou a garra argentina (isso mesmo, ele nasceu na Argentina!) na ponta da raquete, botou a faca nos dentes e mostrou uma valentia danada para vencer seus três pontos e carregar seu país nas costas dando a surpreendente classificação à final do Zonal Americano.

O Brasil irá enfrentar Pablo Cuevas – ou melhor, o Uruguai – em julho muito provavelmente no Carrasco Lawn Tennis, quadra de um clube privado e que, pela televisão (nunca estive presente) parece acanhado e com um público super barulhento.

Tecnicamente falando, nossos tenistas tem mais qualidade que o Cuevas em simples e nossa dupla é mais forte que a deles, mas em Davis não se pode duvidar de nada (lembre do que aconteceu na Índia não é ?) ainda mais quando se joga fora de casa.

Puxando o retrospecto de nosso top 4 de simples contra Cuevas é um pouco animador. Thomaz Bellucci nunca o enfrentou e é o tenista com boas chances de se complicar visto que Cuevas tem uma característica de jogo bem regular no fundo. Ricardo Mello é justo o contrário de Thomaz e por isso se dá bem diante do rival vencendo 4 dos 5 embates.

Marcos Daniel, que segue lesionado, empata em 2 a 2 contra Cuevas e, João Souza, o Feijão venceu os dois duelos, ambos no piso lento.

Lembrando que Pablo é apenas o único jogador deles então basicamente só precisamos tirar um ponto dele, seja nas duas simples ou nas duplas. Marcel Felder e Martin Cuevas são babas para todos os nossos singlistas.

Somos melhores que o Pablo Cuevas, só devemos jogar com raça e bastante atenção para evitar uma surpresa desagradável.




  • Jorge Ramos

    Concordo 100% com a sua análise. Sobre enfrentar o Uruguai apesar de sermos os favoritos é um confronto perigoso, Pablo Cuevas é um cara que tem perfil de Davis cresce muito nessa competição, no papel nosso time é bem melhor, mais não tem nada de confronto ganho. Cuevas pode perfeitamente ganhar de Mello e surpreender Thomaz pesar de Thomaz ser favorito, e nas duplas ele pode engrossar o jogo. Apesar dessas coisas que eu citei expero que a gente ganhe. No papel nossa dupla é muito melhor e nossos tenistas bem melhores no ranking que o deles mais DAVIS É DAVIS e todo cuidado é pouco.rs

    Concorda comigo?

  • Carlos

    hahahahah, estávamos debatendo sobre um futuro duelo contra a Colômbia e eis que a “República do Pablo Cuevas” nos surpreende. Se perdermos essa barbada, aí sim temos que largar de vez a Copa Davis. 4×1 é obrigação, 5×0 é bem possível.

    • Fabrizio Gallas

      Kkk foi boa essa República do Pablo Cuevas

    • Fabrizio Gallas

      5 a 0 acho improvável, mas 4 a 1 é um bom resultado. Mas depende do momento. Cuevas vinha em momento ruim e olha o que aprontou …

  • @saidecow

    Não gosto de vim ao blog para criticar os posts, até porque raramente encontro algo negativo, mas Fabrizio, começou novamente o Oba-Oba, pra que humilhar o time do Uruguai? Primeiro: Nós brasileiros, nunca fomos assim, tenho repúdio de imprensa assim, m faz lembrar o jornalismo de esgoto da Argentina. Segundo: Perdemos os últimos anos para os “poderosíssimos” times da Índia e Equador, com os “incríveis” Rohan Boppana e Giovani Lappenti. Terceiro: 2010 entramos contra o Uruguai na maior humildade e vencemos por 5×0. Ta aí a minha crítica, infelizmente hoje não gostei do post. Mas, deixando isso de lado, creio que devemos dar uma chance ao Feijão, pra ganhar uma experiência, pois nas duplas estamos mto bem servidos, e o Thomaz dá conta do dever dele. Abraços…

    • Fabrizio Gallas

      Jovem,

      Essa é minha opinião. O Uruguai é um time de um jogador só que é bom jogador, mas nunca foi top. O restante é muito fraco, nível de future.

      A Índia, ou bem ou mal, tinha uma dupla excelente e um bom singlista, o Devvarman. O Equador tinha um Nico Lapentti que era Top e o Giovanni Lapentti, que vira e mexe apronta em alguns challengers.

      Agora, como eu bem ressaltei. O Pablo Cuevas tem muito coração e mostrou que não tremeu no confronto. Se o time brasileiro não jogar bem, pode sofrer outra derrota melancólica. Infelizmente não vejo o Thomaz Bellucci como um típico jogador de Copa Davis ainda.

  • Eduardo

    Fabrizio,
    acho temerário afirmar que as chances do Uruguai são pequenas jogando em Montevideo. Tecnicamente, na minha opinião, Cuevas é mais jogador que o Mello, Daniel ou Feijão, e não deixa nada a desejar contra o Bellucci. Lembro que, com 19 anos, venceu na Davis o Saretta que vinha na plenitude da forma e, contra um Guga já combalido, vencia o jogo antes do Brasileiro se retirar (o confronto já estava definido a favor do Brasil). Mas mostrava até mais potência do fundo que o Guga no fim de carreira, o que não é pouca coisa. O que sempre faltava para o uruguaio era cabeça e vontade, que sobraram agora ao arrasar os colombianos. Em resumo, não é nenhum absurdo o Cuevas em casa vencer as 2 simples. Faltaria pra eles 1 vitória, que pode vir num dia não muito feliz de nossa dupla, lembrando que o Cuevas ganhou Grand Slam de duplas. Detalhe: apesar de ter pouca potência nos golpes, principalmente no saque, Marcel Felder é bom duplista, tem muita habilidade. Essa dupla uruguaia superou uma dupla colombiana (Farah e Cabal) que fez vários jogos recentemente contra André Sá e Franco Ferreiro, todos eles disputadíssimos. Os colombianos chegaram a vencer em 2 sets nossa dupla B. Portanto, de olho no confronto. Só espero que o Cuevas jogue, pra poder testar de verdade nossa equipe, senão aí sim, vai ser uma baba.
    Abs!

    • Fabrizio Gallas

      Eduardo,

      Cuevas é um jogador perigoso. Mas não vejo ele com todo esse talento. Mas certamente ele conhece os caminhos de Montevidéu e virá super motivado.

      • Gaspar

        Concordo 100% com o Eduardo. Prefeita análise!

        • Ashraf

          Fabrizio, sempre acompanho os teus post, considero q tu entende…
          mas essa vez, concordo com o Eduardo…
          moro em Mdeo, e tive a oportunidade de ver jogar todos esses joadores mencionados (Bellucci, vencer Hartfield, e perdeu pro Ramirez Hidalgo por ex)…
          quero chegar ao mesmo ponto q o Eduardo…Pablo, é melhor q Mello, Daniel e Feijao…
          e dizer q nao ve nele “esse talento todo” é até complicado, para um cara q nem tu, q tem post sobre tenis…tens q reparar mais nele entao…NUMA SUPER BOA FABRIZIO!!! Eu tbm estive naquele jogo do Cuevas com o Saretta, uma verdadeira surra, e tbm reparei na potencia do cara contra o Guga jáaa em final de carreira claro, mas nao deixa de ser, meeesmo, sugestivo, bastante!!!

          • Fabrizio Gallas

            Ashraf,

            Não vou mudar minha opinião. Cuevas não é um super talento. É um jogador regular e bem esforçado, por isso está no Top 100. Se tivesse mais talento teria entrado fácil no top 30 pela sua garra.

            Se os brasileiros jogarem o que sabem e com atenção a vitória virá. Se faltar cabeça pros brasileiros aí o Cuevas pode surpreender.

            É minha opinião, mas respeito a sua 🙂

  • Mani

    O Cuevas vai com tudo nesse encontro e tenho quase certeza de que ele vai levar um dos seus jogos de simples. Mas de resto é difícil dar um palpite. O Bellucci jogou até que bem em Acapulco, parece estar evoluindo de novo. O Melo e o Soares estão em boa fase. Vai depender de como esses três vão estar na época do confronto. Se o trabalho com o Larri continuar a dar fruto e a nossa dupla manter o nível atual, teremos vida mansa em Montevidéu.

  • Alexandre Macedo

    Será que basta lembrar do Equador (em Porto alegre) contra o aposentado Lappenti e o fanfarrão do seu irmão(Giovanni Lappenti), ou ainda para ser mais humilhante, dos “insignificantes” indianos?
    Canja de galinha e humildade não faz mal a ninguém.

  • Rui da Feira

    Desculpe-me pela ignorancia, mas se o BR é incomparavelmente melhor q o Urug, o BR favoritíssimo, em ranking, indiv e no coletivo, pq o jogo será em Montvideu?

  • César Luiz

    Fabrizio, acho que a dupla vai decidir o confronto. O Bellucci não é jogador de Davis, acho que não vai ter cabeça para ganhar do Cuevas. Se eu fosse o João, colocava o Daniel, desde que esteja bem, e não Mello ou Feijão. Daniel é raçudo e vai complicar muito a vida do Cuevas, caso seje no saibro, lógico. Na dúvida, levar a dupla Ferreiro/Sá, nunca se sabe quando o Bellucci vai ter antes desse jogo contra o Cuevas. Concorda?

  • FABRÍZIO, ACHO QUE O BRASIL PASSA PELO URUGUAI, MAS NÃO VAI SER NADA FÁCIL.

MaisRecentes

Federer o franco favorito em Londres. Pouco a se tirar do Next Gen Finals



Continue Lendo

Quanto Nadal está disposto a arriscar por Londres ?



Continue Lendo

Quem é o melhor do ano ? Federer ou Nadal ?



Continue Lendo