Nalbandian e o caso de amor com a Copa Davis



Pode até ser repetitivo, mas todo duelo de Copa Davis meus destaques ficam por conta de David Nalbandian no blog. Não é pra menos. Ele pode ser arrogante e todos os adjetivos similares, mas encarna no mais alto grau o que é o verdadeiro espírito de jogar uma Copa Davis.

A competição é diferente. Não se joga pra você mesmo, por pontos, ranking ou prêmios. Se joga pela nação, para defender as cores do país com o calor/pressão da torcida a favor ou contra. Os jogos são longos e com pouco tempo de recuperação, o que a torna ainda mais emocionante.

Nalbandian jogou infiltrado e ainda assim venceu Adrian Ungur em quatro sets praticamente sem condições, capengando em quadra e pedindo atendimento regularmente. Foi comovente ouvir sua entrevista pós-jogo ainda em quadra, emocionando com o feito e derramando lágrimas.

“Não dá pra abandonar. Copa Davis é uma competição diferente, apaixonante, se joga pelo seu país, por essa torcida. Se fosse um jogo normal pelo circuito, teria abandonado no segundo set”.  Ouça o áudio da Entrevista Aqui!

Um exemplo pra vários outros tenistas do circuito.

Infelizmente Nalbandian não deve jogar no domingo: “Não consigo dar um passo. Difícil que jogue no domingo, tenho que ver pois se entrar em quadra dessa forma, seria um desrespeito com meus colegas do grupo”.

David tem uma obssessão tamanha pela competição pois ainda não ganhou o título.  Ainda fico com dúvidas se essa vontade seria a mesma caso a Argentina tivesse sido campeã em 2006 e 2008 quando foi vice e ele esteve presente.

Nalbandian me faz lembrar alguns casos de tenistas brasileiros como Fernando Meligeni que sempre encarnou esse espírito de Davis. Quem não lembra daquela vitória no Rio de Janeiro em 2000 contra Karol Kucera ? E o Guga Kuerten em 1999 contra a França em Pau mancando e vencendo Sebastien Grosjean por 9/7 no 5º set ?

Nesta sexta-feira tivemos alguns outros exemplos que na Davis o ranking fica em segundo plano. Nicolas Massu, em decadência, enrolou a vida de Andy Roddick. Paul Capdeville, que mal consegue ir bem nos challengers atualmente, virando batalha de 4h22 contra o top 40 John Isner.

E por que não Rohan Bopanna, aquele barrigudo que não joga simples no circuito, ocupa apenas a posição 629 na ATP e que levou o herói de 2010 e atual 18º colocado, Viktor Troicki, a cinco sets. O mesmo Bopanna perdeu, mas acabou com o físico de Thomaz Bellucci em setembro passado e selou a dolorosa eliminação do Brasil em Chennai derrotando Ricardo Mello.

Essa Copa Davis realmente é diferente!

Curtinhas:

Surpresas negativas do 1º dia. Jurgen Melzer e Janko Tipsarevic sendo derrotados sem ganhar um set sequer. A pressão de jogar em casa fala mais alto. A Áustria, que tinha um ótimo cenário para vencer, agora está nas cordas. Jeremy Chardy, seu algoz, não havia ganho nenhum jogo no ano. É o segundo confronto seguido que Tipsa decepciona e os atuais campeões estão em ligeiro perigo.

Nadal fez ótima apresentação para o retorno de uma lesão. Praticamente o dobro de winners em relação aos erros. A Espanha está nas quartas não é ? Esse time belga não mete medo. David Ferrer, número 6 do mundo, sentiu uma lesão, não jogou, mas Fernando Verdasco, nono, entrou. Três top 10. Que timaço!

No Zonal Americano Pablo Cuevas se desfez de um retrospecto de 0 a 2 e venceu Alejandro Falla. Ele dá esperança pro Uruguai contra a Colômbia após o 1 a 1 do 1º dia. Nas duplas e no duelo contra Santiago Giraldo tudo pode acontecer.



  • Fernando

    E olha que o Nalba tinha uma lesão de verdade!

  • Leonardo

    Boa noite Fabrizio,

    Só não acho que o Nalbandian seja arrogante.

    Abraço.

    • Fabrizio Gallas

      Ele é sim. Precisa ver o tratamento dele com a imprensa. Principalmente quando perde. Falta a coletivas, responde atravessado qualquer tipo de pergunta, às vezes até monossilabicamente.

  • Gaspar

    Prezado Fabrizio,
    Nao entendi muito bem o que vc colocou: vem um indiano aposentado e tira o físico do Bellucci para o próximo jogo…, certo? No mesmo post, vc exalta Nalbandian e Guga, que superaram todas as dificuldades fisicas(reais) e vencem este mesmo jogo? Nao acha que esta um pouco parcial? O que o nosso jogador fez na India, mostra quem ele realmente é! Os adjetivos que gostaria de dedicar a ele nao cabem em um lugar tao bacana e respeitavel como este espaco que vc no dá, mas todos sabem quais sao. Forte abraco!

    • Fabrizio Gallas

      Bopanna é um jogador barrigudo e que não joga simples e assim como deu uma canseira enorme no Troicki, deu também no Bellucci e como o físico do brasileiro não é dos melhores, acabou não aguentando na Índia.

      Os casos de Nalbandian e Guga são diferentes. O 1º chegou lesionado e o 2º se machucou durante a partida.

      • Gaspar

        Ao meu ver, piorou, nao aguentar o dia seguinte é mais vexatório do que aguentar já chegando lesionado, ou se machucar durante o jogo e, em ambas as situacoes, ganhar o jogo.

MaisRecentes

Maior de todos no saibro, Nadal já pode almejar liderança na temporada



Continue Lendo

Bellucci se reencontra



Continue Lendo

Rep. Tcheca seria o melhor rival do Brasil na Copa Davis



Continue Lendo