O nascimento de novas estrelas. E o retorno de outra. Justiça



Infelizmente o Brasil Open não consegue trazer as maiores estrelas do tênis atual. Problemas já discutidos aqui no blog como a logística de deslocamento de europeus ou até mesmo sul-americanos bem como a concorrência com outros torneios maiores na semana.

Mesmo assim, o torneio na Costa do Sauípe (BA) é característico em revelar futuras estrelas. A maior delas, e com sobras, é Rafael Nadal em 2005. Andava tranquilamente na época e hoje nem por muita grana aparece no evento. Em 2008 o próprio Almagro, com 22 anos, levantava seu 3º título da carreira no país e arrancava para ser 11 do mundo em agosto, sua melhor posição até agora. No ano seguinte Thomaz Bellucci disputava sua primeira decisão. O paulista está longe de ser uma estrela, é um ótimo jogador e com potencial já muito falado por aqui.

Nesta edição Aleksandr Dolgopolov manteve o nível da Austrália e disputou sua primeira final de ATP com um jogo confiante e com muita variação de jogo. Uma direita com movimento estranho é verdade, mas muito talento e eficiência. Não ganhou o título por falta de experiência. Sentiu o fator de jogar uma final. Mas que se diga. Almagro agrediu desde o início, sufocou o rival, o jogou contra a parede e Dolgopolov não conseguiu comandar os pontos como fez durante todo o torneio.

Estamos vendo o nascimento de uma nova estrela do tênis que rapidamente estará no top 20 e quizá chegará entre os dez melhores.

A semana aliás vem sendo dos jovens assim como vimos em boa parte de Melbourne. Milos Raonic disputa neste domingo sua primeira decisão ATP em San Jose e os tops já começam a temer a bomba que é seu serviço. Richard Berankis, outro nome que pode dar o que falar, fez quartas de final e perdeu para Raonic.

Outra boa notícia é a aparente recuperação de Juan Martin Del Potro. Vitórias convincentes sobre tenistas intermediários e uma surra em Lleyton Hewitt.

A subida de jovens e o retorno de Delpo são muito saudáveis a concorrência no circuito.

Justiça foi feita! O tênis feminino tem uma líder justa. Kim Clijsters, com sobras na semana, atingirá o topo a partir desta segunda-feira. Na primeira oportunidade que teve ela foi e confirmou, desbancando o terceiro nome nos últimos anos que atingiu a liderança sem ganhar nenhum Slam.

Precisamos lembrar. Clijsters foi nº 1 em 2003 e só ganhou seu primeiro Slam em 2005. Viveu do mesmo carma que Jankovic, Safina e Wozniacki viveram. Mas a diferença é que ela ganhou. As outras ainda não.

Curtinhas:

Brasil Open teve a final na TV Aberta transmitida pela Band. Algo positivo, importante pra mídia de nosso esporte.

Notícias negativa é que nem a Band ou BandSports ou Sportv transmitiu a final de duplas em mais uma ótima atuação dos brasileiros Marcelo Melo e Bruno Soares, campeões pela segunda semana seguida repetindo Santiago (Chile).

Os mineiros devem aparecer no top 8 da temporada na semana e iniciar a briga pelo ATP Finals. Ainda é cedo pois o torneio é em novembro, mas não custa sonhar.



MaisRecentes

Djokovic a caminho de recordes



Continue Lendo

Indomável, Djokovic agora postula ida ao Nº 1. Brasil tem por quem torcer



Continue Lendo

Del Potro pisa mais forte que Nadal no US Open. NextGen ainda não embala



Continue Lendo