Djokovic mereceu contra o Yellow Murray



A confiança trazida da vitória na semifinal contra Roger Federer fez um efeito danado na final deste domingo. Djokovic atacou firme com a direita,sacou bem, se movimentou muito bem em quadra e praticamente não sentiu o fato de disputar uma final de Grand Slam.

Também pudera. Do outro lado da quadra não estava nem um Federer ou um Rafael Nadal e sim um Andy Murray. A vantagem mental de ter vencido um Major contra outro que não ficou evidente.

Toda essa vasta firmeza de Djokovic veio muito por causa da conquista da Copa Davis no ano passado, um torneio que mexeu com sua cabeça nos últimos torneios do ano (jogou o ATP Finals com a cabeça na França e Belgrado). Tirou aquele peso das costas de um título grande que não vinha exatamente desde a Austrália em 2008.

Para alguns a Davis é desprezada, mas para outros faz uma boa diferença. Citando outro exemplo. Fernando Verdasco passou de um jogador bom para respeitado no circuito após vencer em Mar del Plata 2008. No iníciode 2009 fez semis e quase ganhou de Nadal em Melbourne e deslanchou pro top 10.

E o Murray ? Jogou de forma agressiva só quando estava atrás do marcador. Quando pensava em ficar a frente o braço e suas bolas encurtavam, os erros apareciam o que ajudou bastante para Nole dominar os pontos no fundo. São três finais de Grand Slams, três vices e nenhum set vencido. Pelo fato de ter títulos sobre os mesmos Federer e Djokovic em finais de Masters 1000 com atuações impecáveis, podemos dizer que o escocês sente demais o fato de disputar uma final de Major. Resumindo: amarela.

A Grã-Bretanha segue jejum que caminha pros 75 anos sem vencer um torneio deste porte (último foi Fred Perry no US Open em 1936) e pelo jeito ainda vai demorar pro escocês levantar um deles caso não contrate um psicólogo ou um treinador respeitado (nada contra a parceria com Alex Corretja, mas o espanhol ainda é novo no mercado). Acredito que ele precisa adaptar seu forehand com um estilo mais agressivo, definidor. Muitas vezes sua passividade passa por ali.

Clijsters, a verdadeira nº 1

O Australian Open mostrou quem de fato comanda a WTA atual. Kim Clijsters vai ficar apenas 140 pontos atrás de Caroline Wozniacki na tabela desta segunda-feira. Ela só não está na ponta pois jogou oito torneios a menos que a rival. Logo, tirando uma média de pontos e importância dos torneios ganhos, a belga pode ser considerada a melhor.

Clijsters venceu nestes últimos 365 dias o US Open, o Australian Open e o WTA Championship, três dos cinco maiores eventos do circuito enquanto que Wozniacki sequer fez uma final de Grand Slam. Na minha concepção Wozniacki ainda não provou ser uma líder justa da WTA e pelo nível de tênis jogado (muitos balões e escasso número de winners) a tendência é que nunca ganhe e seja desbancada em breve.

Você pode opinar nos comentários. Títulos merecidos de Djokovic e Clijsters ? Chegamos ao fim da era Federer-Nadal ?

Curtinhas:

Se serve de alento pro Murray. Ivan Lendl erópria Clijsters perderam quatro finais seguidas de Slams. Lendl fechou com oito e Kim já tem quatro. Andre Agassi também perdeu as três primeiras e ganhou oito.

Falando em Federer e Nadal.  O suíço tirou férias de 10 dias e não disse onde foi. Quer descansar. Nadal terá que ficar pelo menos duas semanas de molho com 2 cm de ruptura em uma fibra do músculo da coxa esquerda. Nada grave a príncipio.




  • Jomar Romariz Xavier

    Merecidíssimos! Assisti ao jogo da Clijsters, aparentemente deu a impressão que a Na Li consegueria vencer, mas prevaleceu principalmnente a experiência da belga. Em relação a final masculina, fiquei desapontado pois imaginei que seria um jogo muito mais disputado. A velha máxima diz o seguinte; “Quando a bola rola, no caso, quando a bola quica, é quem diz para o que veio”. Sendo assim, o Djokovic tomou conta do jogo, do início ao fim. Manteve-se muito regular, principalmente na troca de bolas da linha de base, na qual o Murray também o é, mas hoje deixou muito a desejar. Quanto ao fim da era Federer-Nadal, ainda é cedo para prognosticar. Acho que o Federer, por não ter, ainda, problemas físicos, pode ter a carreira prolongada em relação ao Nadal. Todavia, torço para, o bem do tênis, que ambos permaneçam o máximo possível no circuito.

  • Fernando

    “Pelo fato de ter títulos sobre os mesmos Federer e Djokovic em finais de Masters 1000 com atuações impecáveis, podemos dizer que o escocês sente demais o fato de disputar uma final de Major. Resumindo: amarela. ”

    Nada a ver, discordo totalmente, não acho que ele amarela e concordo menos ainda com sua justificativa. O problema é que os Grand Slams são torneios muito mais difíceis, o jogo empurradinho que o Murray pratica (por opção dele, e não por incompetência) ainda não é suficiente pra ganhar de um cara que do outro lado da chave ganhou atacando de 6 tenistas em melhor de 5 sets e tá jogando muito. Num Masters 1000, o cara não precisa jogar tanto pra chegar à final. Acho que isso justifica as vitórias do Murray nesses torneios. O Federer do Australian Open 2010 jogou muito mais que em qualquer outro jogo contra o Murray, e a última partida do escocês contra o Djokovic foi em Miami 2009, há quase dois anos. É mais uma questão da forma como ele joga, que, contra um adversário mais agressivo e ao mesmo tempo consistente e confiante, não funciona. Não apenas nos Slams mas, por exemplo, na escovada que ele tomou do Federer no ATP Finals.

    Quem sabe numa final contra Nadal, contra quem o escocês joga um tênis muito mais agressivo e que ele tem capacidade de executar, ele não tenha mais chances de ganhar?

    • Fabrizio Gallas

      Fernando,

      Respeito sua opinião e considero que jogos de 5 sets são mais longos. Mas mesmo assim nos Masters 1000você pega por vezes tenistas até mais carimbados e o Murray não joga as finais com a bola empurradinha que ele joga nas finais dos Slams. Pra falar a verdade o Murray pegou muitas babas nesse Australian Open. Quando pegou os mais complicados se enrolou com o Ferrer e perdeu feio do Djokovic. Aposto que se o jogo contra o Nole fosse uma semi ele não levaria essa sova. Desculpe, mas essa é minha opinião. Ele sente demais as finais de Majors.

  • Djokovic jogou bem e mereceu a vitória, tirando o primeiro set em q Murray imprimiu um pouco de dificuldade ele parecia jogar sozinho. Djokovic vem mostrando há um tempo que merece estar entre os primeiros e ganhar tudo além de apenas a dupla Federer e Nadal.
    http://t.co/4jFtXJV

  • vander

    ola pessoal, penso que o fabrizio tá certo com relaçao ao murray amarelar! isso é indiscutivel! foi como no ano passado contra o federer! tdo bem ele perder pro nole ainda mais q o servio tava terrivel hj! mas nao ganhar nenhum set ficou feio! no terceiro set ele poderia ter ganho se tivesse mais confiante! Parabens ao nole! mereceu mto esse titulo! ninguem jogou melhor q ele nesse torneio!

  • Felipe

    Fabrizio, parabéns ao djockovic. Demonstrou atitude de campeão. atacou sem medo de errar e também tava confiante, fazendo a trasição de defesa-ataque e ataque-defesa correta, sem contar que o saque melhorou e o forehand tava pesado e firme. Agora, é complicado porque quando vejo jogos dessa nova geração (e estou ainda incluindo o Nole entre eles) parece que falta plasticidade no jogo. A tecnologia ajudou os tenistas na parte física e técnica do tênis, mas atrapalhou na plasticidade do jogo, concorda? O backhand com uma mão, na minha opinião é um golpe plasticamente muito mais bonito do que o de duas, mas já se provou que tecnicamente possui mais desvantagens. É raro ver saque e voleio nos jogos de hoje em dia ou dropshots que são formas no mínimo diferentes de se ganhar os pontos, pois os atletas estão mais rápidos chegam em todas as bolas vai sempre pedrada pro outro lado. Sei lá, quando vejo uma final sem federer, que é um jogador clássico e com recursos pra variar ou Nadal, que tem um tênis diferente de qualquer outro jogador que já vi e é um fenômeno, parece perder um pouco a graça. Será que não seria interessante a ATP ou outro orgão que for responsável pelas regras do tênis tentar mexer um pouco nisso pra devolver um pouco da plasticidade do jogo de tênis, que em outras épocas foi muito mais evidente e legal de se ver? Posso estar sendo saudosista falando assim ou pragmático, mas a verdade é que o tênis hoje é um esporte mais robotizado do que há 15 anos atrás. O que vc acha?????

    • Fabrizio Gallas

      A ATP deu mais enfase aos torneios no pisos rápidos mas mesmo assim os jogos ficaram mais no fundo de quadra pela força dos tenistas em conseguir dar mais passadas e trocar bolas no fundo. Logo foi algo de acordo com o tempo. Na grama, onde tem esse jogo mais clássico, se reduziu a velocidade do jogo, logo possibilitou ao Nadal ter mais chances e diminuir o jogo saque e voleio. O que a ATP pode fazer ? Talvez deixar mais rápida a grama para valorizar, mas mesmo assim não vaimudar muito já que temos 1 mês apenas jogado neste piso.

  • Rafaela

    Acho que sou maluca. Por muitas vezes reclamei de sempre ver federer ou nadal na final, do dominio absurdo dos dois, maas hoje senti falta deles. Nao desmerecendo os outros, mas final de slam sem eles é bem estranho, falta algo.

  • Suellen Clemente

    O Djokovic jogou demais ontem,com muita confiança, agressividade e regularidade. E pra mim esse título vem pra mostrar que ele vai brigar pela ponta do ranking, já que ele ficará a apenas 85 pontos de Roger Federer. E acredito que ele tem tudo para ganhar muito mais títulos, pois sua motivação vai aumentando cada vez mais!!!!

  • Simplicio Junior

    Olá, Fabrízio! Concordo com você e acho que uma imagem no jogo Djokovic X Federer ilustra bem sua opinião sobre o que falta ao Murray em finais de Slams. Ao vencer mais um ponto disputado na partida contra o suíço, “Nole”, olha para seu staf e põe o indicador na testa, deixando claro que se já tem técnica, possui também força mental para superar adversários que entram na quadra favoritos. Ele dificilmente perde o foco. Murray já entrou na quadra com o complexo de inferioridade. Na véspera já antecipava desculpas, ao dizer que o sérvio teve tempo a mais para descansar e se desgastou menos para superar Roger. Ora, problema dele se deixou o Ferrer gostar do jogo! Nada contra o espanhol, mas como já li em seu blog, Nadal e Federer estão dois níveis acima, E Djocovic(bem próximo dos dois), Soderling e Murray, um nível acima dos demais top 15. Enquanto esses cinco jogarem o que estão jogando e não sofrerem lesões graves, os top 15 serão apenas isso e ficarão revezando posições nesse patamar do ranking. Quanto ao Murray, com o perdão do exagero, é capaz de esquecer o jogo que tem numa final de Major, até se do outro lado da quadra estiver o nosso Bellucci. Um abraço!

  • Branca

    Mereceu. Jogou melhor.

  • Andre Lima

    o que vc falou da Wozniacki é verdade mas ela tem uma boa bunda isso vc não pode negar.

    • Fabrizio Gallas

      kkkkkk. Ela é bonita

      • marcosRfRN

        Nao é melhor dizer: bela bunda. Ou vc provou?

MaisRecentes

Federer pode sonhar com o Nº 1



Continue Lendo

Murray segue perdendo chances



Continue Lendo

A insana chave de Indian Wells



Continue Lendo