Tiago Fernandes e Brasil na Davis, o fato e a decepção de 2010



Como prometido, é hora de pontuar os fatos e as decepções do tênis brasileiro de 2010. Tivemos muita coisa acontecendo e no meu balanço o ano mais positivo do que negativo, com boas perspectivas para 2011.

Os melhores fatos

1 – Tiago Fernandes vence o Australian Open e ascende ao topo do Juvenil – Desde Gustavo Kuerten em Roland Garros 2001 nenhum brasileiro havia vencido um Grand Slam e a jovem promessa alagoana acabou com este jejum, batendo adversários competentes para surpreender o mundo e se consolidar, meses depois, como o 1º brasileiro número 1 do mundo da ITF;

2 – O ótimo 1º semestre de Bellucci – Título em Santiago derrotando o top 12 Fernando Gonzalez na casa dele (algo muito complicado de se fazer); vaga nas oitavas de um Slam pela primeira vez em Roland Garros superando Ivan Ljubicic e dando trabalho para o Rei do Saibro, Rafael Nadal, outros bons resultados em ATPs e Masters 1000 e vaga permanente entre os 30 melhores com o 21º posto em julho.

3 – União Bellucci e Larri Passos – Melhor jogador com o Melhor Técnico do país. Expectstiva boa para 2011.

4 – Brasil fecha o ano com 3 top 100 após sete anos – Ricardo Mello com resultados consistentes, incluindo a semi do Brasil Open, Marcos Daniel se recuperando vencendo 12 seguidas após uma séria lesão no cóccix junto com Bellucci. Faltou muito pouco para termos 4 top 100 com o crescimento de João Souza, o Feijão, que terminou perto do grupo.

5 – Guga x Agassi, 10 anos do nº 1 – Apesar dos problemas com a assessoria de imprensa, o jogo de celebração dos 10 anos do nº 1 de Gustavo Kuerten foi mágico e encerrou o ano com chave de ouro. Nostalgia pura com o ótimo tênis dos dois e lembranças à flor da pela com o nosso campeão.

As 5 decepções

1 – Brasil x Índia na Davis – Disparado o campeão da decepção do ano. Os adversários escolheram um piso favorável a nós e abrimos 2 a 0 no primeiro dia com brilhantes atuações de Bellucci e Mello. Mas mesmo com o favoritismo de nossos dois tenistas de simples, ambos jogaram muito mal e tomamos uma virada pra não se esquecer nos próximos anos. Thomaz Bellucci sequer completou seu jogo, o que aumentou a lamentação. Perdemos outra boa chance de ir ao Grupo Mundial.

2 – 2º semestre fraco de Bellucci – Não defendeu seu título em Gstaad perdendo logo de cara e tinha muita chance de ir às finais em Hamburgo perdendo um jogo que não deveria. Essas duas semanas iniciaram o carma de Bellucci no 2º semestre sem resultados positivos após o 1º semestre animador. A vaga no top 20, que era uma meta bem provável, ficou distante.

3 – Polêmica com os técnicos criada por Bellucci – Caldo e comedido nas palavras, nosso número 1 abriu a boca, criticou os treinadores brasileiros e gerou uma bronca com a maioria incluindo grandes nomes do tênis nacional. Desnecessárias as palavras.

4 – Polêmica criada pelo Presidente Lula – Nosso Presidente jogou uma bola muito fora ao dizer que nosso esporte é de burguês e incentivar um menino carente a praticar outro esporte. O vídeo rodou o Brasil e saiu em vários meos de comunicação. Lamentável é que ele nem quis se retratar.

5 – Melo e Soares nos match tie-breaks – Nossa dupla nº 1 teve alguns ótimos resultados como as quartas em Roland Garros, título em Nice e terminou entre as 15 melhores do ano. Mas os mineiros poderiam ter conquistado muito mais e até uma vaga no top 10 caso fossem mais efetivos nos Match Tie-Breaks, sets curtos de 10 pontos jogados nos torneios organizados pela ATP. Foram apenas seis vitórias em 22 partidas nestas condições.

Quem concorda ou discorda do meu ranking está livre para opinar e colocar até mais fatos positivos e negativos de 2010 do tênis nacional!



MaisRecentes

Zverev tem tudo, mas ainda falta muito. Estranho, não ? 



Continue Lendo

Nem sempre se pode ganhar todas



Continue Lendo

Djokovic a caminho de recordes



Continue Lendo