A vitória merecida do comprometimento de Djokovic e cia.



A Copa Davis é a única competição que possibilita aos coadjuvantes virarem heróis da noite pro dia pois nela o ranking fica por segundo plano (seu formato do 5º jogo com o tenista nº 2 de simples facilita). Neste domingo fomos testemunhas mais uma vez de um tenista, até então tido como “amarelão”, incorporar o sentimento de uma nação tão emotiva e jogar seu melhor tênis.

Vários dos heróis de Davis não são medalhões e alguns usam a competição para dar impulso em suas carreiras. O exemplo mais recente é de Fernando Verdasco que não era ninguém até Mar del Plata em 2008.

Michael Llodra não era de forma alguma uma unanimidade, mas a boa campanha em Paris e o retrospecto neste ano em Copa Davis comparado com o rival davam favoritismo.

Muito mais do que a atuação de Troicki vir na hora certa, a Sérvia mostrou que para vencer o torneio precisa ter um time homogêneo com um personagem de destaque.

Novak Djokovic venceu todos os sete jogos durante o ano e correspondeu sempre quando exigido. Jogou perto do seu melhor tênis nesta final. Mas ele precisa de um complemento e quando não pôde carregar nas costas teve a ajuda de Troicki nesta final e de Tipsarevic (que não jogou nada contra a França) na semi diante dos tchecos (derrotou Berdych e Stepanek nas simples).

Além disso é preciso ter muita vontade e comprometimento. A falta de um título deste porte fez com que Djokovic abraçasse a causa e deixasse alguns torneios importantes em outro foco (a cabeça dele no ATP Finals não estava em Londres). Logo, tal conquista é merecida.

Resta saber se Nole terá o mesmo foco no torneio em 2011. Espero que sim.

Como já disse anteriormente, a Davis é uma competição encantadora. Não obstante estive em duas finais, Mar del Plata em 2008 e Barcelona 2009. Ela precisa manter os jogos melhor de 5 sets para não perder o teor e tradição, mas pode ficar ainda melhor se conseguir atrair mais os grandes tenistas. Um dia de descanso entre os jogos e uma adequação melhor ao calendário apertado podem ajudar.

Curtinhas:

A França tem um ótimo time, mas nos últimos anos vem devendo na hora H. Llodra e Monfils podiam ter feito muito mais. Falta um grande protagonista à equipe para voltar a vencer na Davis. É a segunda virada traumática que levam, repetindo 2002 contra a Rússia.



MaisRecentes

Nadal chega em Paris com sobras. Djokovic pode brigar



Continue Lendo

Nadal não será afetado por derrota em Madri. Zverev cresce, mas precisa confirmar em um Slam



Continue Lendo

Triplo 11 de Nadal ?



Continue Lendo