A vitória merecida do comprometimento de Djokovic e cia.



A Copa Davis é a única competição que possibilita aos coadjuvantes virarem heróis da noite pro dia pois nela o ranking fica por segundo plano (seu formato do 5º jogo com o tenista nº 2 de simples facilita). Neste domingo fomos testemunhas mais uma vez de um tenista, até então tido como “amarelão”, incorporar o sentimento de uma nação tão emotiva e jogar seu melhor tênis.

Vários dos heróis de Davis não são medalhões e alguns usam a competição para dar impulso em suas carreiras. O exemplo mais recente é de Fernando Verdasco que não era ninguém até Mar del Plata em 2008.

Michael Llodra não era de forma alguma uma unanimidade, mas a boa campanha em Paris e o retrospecto neste ano em Copa Davis comparado com o rival davam favoritismo.

Muito mais do que a atuação de Troicki vir na hora certa, a Sérvia mostrou que para vencer o torneio precisa ter um time homogêneo com um personagem de destaque.

Novak Djokovic venceu todos os sete jogos durante o ano e correspondeu sempre quando exigido. Jogou perto do seu melhor tênis nesta final. Mas ele precisa de um complemento e quando não pôde carregar nas costas teve a ajuda de Troicki nesta final e de Tipsarevic (que não jogou nada contra a França) na semi diante dos tchecos (derrotou Berdych e Stepanek nas simples).

Além disso é preciso ter muita vontade e comprometimento. A falta de um título deste porte fez com que Djokovic abraçasse a causa e deixasse alguns torneios importantes em outro foco (a cabeça dele no ATP Finals não estava em Londres). Logo, tal conquista é merecida.

Resta saber se Nole terá o mesmo foco no torneio em 2011. Espero que sim.

Como já disse anteriormente, a Davis é uma competição encantadora. Não obstante estive em duas finais, Mar del Plata em 2008 e Barcelona 2009. Ela precisa manter os jogos melhor de 5 sets para não perder o teor e tradição, mas pode ficar ainda melhor se conseguir atrair mais os grandes tenistas. Um dia de descanso entre os jogos e uma adequação melhor ao calendário apertado podem ajudar.

Curtinhas:

A França tem um ótimo time, mas nos últimos anos vem devendo na hora H. Llodra e Monfils podiam ter feito muito mais. Falta um grande protagonista à equipe para voltar a vencer na Davis. É a segunda virada traumática que levam, repetindo 2002 contra a Rússia.



  • Alan C.

    Fabrizio, torci pra sérvia nessa davis, era um grupo menos talentoso (tirando djokovic) porém muito mais guerreiro e unido, definitivamente mereceram e muito essa vitória.
    Mas se eu fosse o forget teria colocado o llodra contra o nole, e deixava monfils pra ultima partida contra troicki ou tipsarevic…qualquer um que jogasse contra o novak perderia, o cara estava inspirado, imbátivel, e nao seria NUNCA um monfils, que é fregues do sérvio que iria arrancar a vitória dele…guardaria monfils pro final, que com ctz tem uma vantagem muito boa sobre troicki ou tipsarevic e poderia levar a partida já que a frança só precisava de um jogo!

  • LEO

    O NOLE MOSTROU COMO UM VERDADEIRO REPRESENTANTE DO SEU PAÍS DEVE JOGAR. COM COMPROMETIMENTO, GUARRA, DEDICAÇÃO E MUITA VIBRAÇÃO, UM VERDADEIRO EXEMPLO A SER SEGUIDO PELOS REPRESENTANTES DO TIME BRASILEIRO.

  • Paulo Filho

    O título da Sérvia, além de merecido, foi fruto de um trabalho muito bem feito principalmente pelo Djokovic e pelo Tipsarevic, que apesar de ter sido atropelado pelo Monfils na final, foi um verdadeiro herói ao longo do ano. O Troicki foi sensacional ontem. Não era nem de longe aquele jogador errático e sem confiança dos últimos sets do jogo de duplas. Esse cara vai longe. Na gira asiática deste ano deu trabalho até para o Nadal, então em 2011 ele será top 20 fácil, talvez até top 15. Eu discordo um pouco do Djokovic quando ele disse que sua melhor partida do ano foi contra o Monfils, para mim foi a semi do USO contra o Federer. Memorável! Em relação ao comentário do Alan, eu queria tirar uma dúvida: seria possível para o capitão francês convocar o Monfils somente para o segundo jogo de ontem? Na primeira rodada não é sempre o primeiro de um grupo contra o segundo do outro e na terceira não é sempre o primeiro contra o primeiro e o segundo contra o segundo? Confesso que fiquei na dúvida. Viva a Sérvia!

    • Fabrizio Gallas

      Pois é, Djokovic jogou demais contrao Federer no US Open, mas essa participação dele na Davis foi memorável sem dúvida.

  • Murilo

    Djokovic mostrou como um verdadeiro campeao oq é jogar uma copa davis….os top deveriam seguir seu exemplo, pois nunca ele alego cansaço para nao participar…e qto as duvidas das pessoas o time frances nao poderia colocar o monfils pro segundo jogo…teria que obrigatoriamente jogar contra o Nole…pois se fosse assim Nole iria querer jogar os dois jogos de domingo….uma vitoria merecida pela uniao e garra de todo o time servio

  • Suellen Clemente

    Primeiramente gostaria de parabenizar o Fabrizio pelo novo novo blog, ficou muito interessante.Bem, desde do começo da Copa Davis eu torcia muito pela vitória da Sérvia, pois é um grupo com muita garra, determinação, força e comprometimento, tanto dos atletas, como da torcida e vimos que até o presidente da Sérvia acompanhou, o que serve de exemplo para todos os atletas que priorizam outros torneios..
    Eu torço muito para que a Sérvia seja bi campeã, pois todos merecem!!!

MaisRecentes

Qual o limite de Roger Federer ?



Continue Lendo

Cilic e a missão (quase) impossível contra Federer



Continue Lendo

O verdadeiro Dia Mundial do Tênis



Continue Lendo