Sem traumas, números mostram as diferenças entre Tite e Cristóvão Borges no comando do Corinthians



Cristóvão chegou ao Corinthians sob desconfiança, mas conseguiu embalar (Foto: Luis Moura/WPP/Lancepress)

Cristóvão chegou ao Corinthians sob desconfiança, mas conseguiu embalar (Foto: Luis Moura/WPP/Lancepress)

A notícia da saída de Tite para a Seleção Brasileira deixou grande parte dos corintianos e da mídia esportiva em dúvida quanto ao futuro do time sem o seu principal condutor. Essa reação não seria exclusiva do Timão, mas de qualquer outra equipe que perdesse um profissional de tamanha qualidade.

O processo de escolha, assim, não foi fácil. Evidentemente seria uma missão quase impossível encontrar uma pessoa que atendesse a tantos requisitos e estivesse disposta a substituir o maior da história de um dos clubes de maior torcida do país.

Para a surpresa de muitos, o escolhido foi Cristóvão Borges, personagem pacato, de fala calma e sem espalhafatos, perfil que não convenceu à primeira vista, algo que aconteceria com qualquer outro que tivesse topado participar dessa transição.

Após cinco partidas no comando do Corinthians, o novo treinador já parece convencer e essa mudança é trazida, claro, por conta dos resultados atingidos até aqui. São quatro vitórias seguidas e apenas uma derrota, justamente na estreia, para o Atlético-MG, por 2 a 1, fora de casa.

O aproveitamento de Tite no Brasileirão foi de 62% dos pontos disputados em sete jogos, enquanto o de Cristóvão é de 80%. Apesar de a estrutura do time não acusar tantas mudanças drásticas, há diferenças entre a postura de um comando e de outro, o que não causa espanto, pois mexem com preferências pessoais. Veja o quadro abaixo:

Confira a diferença de números entre Tite e Cristóvão Borges, neste Brasileirão

Confira a diferença de números entre Tite e Cristóvão Borges, neste Brasileirão

Nos números de ataque já é possível notar que algo mudou. A média de gols com Cristóvão é de 2,2 por jogo, já com Tite era de 1,4. O mesmo acontece com as estatísticas de finalização certa cuja média era de 4,7 por partida e passou a ser de 5,4.

Em contrapartida, a média de assistências para finalização diminuiu (de 10,6 para 8,8), o que nos leva a considerar que o time passou a ser mais objetivo na conclusão de suas jogadas. Essa tese é corroborada pelos dados de passe e posse de bola. Observe no quadro a seguir:

Comparação das médias corintianas sob o comando de Tite e de Cristóvão no BR-16 (Fonte: Footstats)

Comparação das médias corintianas sob o comando de Tite e de Cristóvão no BR-16 (Fonte: Footstats)

Com Tite, o Corinthians liderava ambos os quesitos no Brasileirão. A média de passes certos estava em 459 por partida. Já na era Cristóvão Borges, esse número caiu para 380. Consequentemente, a média de posse também acusou queda. Passou de 15 minutos e 59 segundos por jogo, para 13 minutos e 27 segundos.

Mas não foi só o ataque a sentir os efeitos, a defesa também apresentou alterações em razão do novo modo de propor o jogo, que deixou a meta corintiana mais exposta, algo observado no aumento da média de defesas (de 2,7 para 4). No entanto, foi aperfeiçoada a questão da retomada da posse. As médias de desarmes certos (de 17,4 para 20,2) e de faltas cometidas (de 16,6 para 12,8) melhoraram.

Diante do apresentado por aqui, a transição não parece ser tão traumática, basta saber se uma sequência negativa não abalará tal status.



MaisRecentes

Venha sem preconceitos, pois precisamos falar da fase de Felipe Melo no Palmeiras



Continue Lendo

No futebol nossa torcida é mais contra ou a favor? Até que ponto a paixão nos cega?



Continue Lendo

Mesmo sem estar com a barriga cheia, Palmeiras parece não ter fome em 2019



Continue Lendo