Santos e Osasco Audax privilegiaram o jogo de futebol e elevaram o nível do Paulistão



Por jogarem verdadeiramente futebol, Santos e Osasco Audax fizeram decisão em que ambos mereciam levar o título (Foto: Marco Galvão/LANCE!Press)

Por jogarem verdadeiramente futebol, Santos e Osasco Audax fizeram decisão em que ambos mereciam levar o título (Foto: Marco Galvão/LANCE!Press)

Qualquer resultado que decorresse da decisão do Paulistão entre Santos e Osasco Audax seria justo. Ambos os times que chegaram à final da competição fizeram por merecer, praticando o futebol em sua verdadeira essência, sem apelar para o anti-jogo, com marcação dura e exibições esteticamente ruins, como muito se viu durante o ano.

É verdade que o Peixe, nas duas partidas, teve de mudar um pouco o jeito de jogar para enfrentar um adversário que o ameaçava de maneira parecida que ele mesmo leva perigo aos seus oponentes. Para isso Dorival precisou ‘enfeiar’ seu jogo.

Para se ter uma ideia, antes dos duelos finais, o Santos tinha uma média de 423 passes certos e 33 lançamentos por jogo. Já nos confrontos decisivos a média foi de 245 passes certos e 44 lançamentos, ou seja, houve mesmo uma mudança. Veja nos gráficos a seguir:

Gráficos comparam médias de passes e lançamentos do Santos antes das finais e durante as finais (Fonte: Footstats)

Gráficos comparam médias de passes e lançamentos do Santos antes das finais e durante as finais (Fonte: Footstats)

No lugar de trocar passes e impor seu estilo, os santistas deixaram a bola com o Audax de Fernando Diniz, que não muda sua característica, e se defendeu da maneira que pôde sem, entretanto, perder velocidade e habilidade nos contra-ataques, o que acabou definindo o campeonato pelos pés de Ricardo Oliveira.

Com os números, é também possível observar que a vocação ofensiva do Santos não sofreu danos com a alteração no perfil tático. A média de finalizações certas do Peixe antes das decisões era de 5,5 por jogo. Já nas finais, foram 6 por partida. confira no gráfico abaixo:

Imagem mostra comparação entre a média de finalizações santistas antes e durante as finais do Paulistão (Fonte: Footstats)

Imagem mostra comparação entre a média de finalizações santistas antes e durante as finais do Paulistão (Fonte: Footstats)

Isso é muito importante para se estar atento, já que não é o fato de jogar de forma mais defensiva que impede as equipes de atacarem de forma organizada e precisa, ainda mais em um time que conta com Gabigol, Lucas Lima e Ricardo Oliveira.

Em resumo, a qualidade apresentada pelo Osasco Audax durante todo o campeonato e, principalmente, nas finais, fez com que o próprio campeão se rendesse ao seus atributos e se adequasse às condições propostas por Fernando Diniz e seus comandados.

Ganhou o futebol, ganhou o esporte, ganhou o torcedor, que viu a beleza ser premiada com o troféu.



MaisRecentes

Lucas continua como o brasileiro com mais gols na elite da Europa e Messi dispara na artilharia



Continue Lendo

Na mira do Palmeiras, Pratto foi o gringo com mais gols no Brasil em 2016; Veja a lista completa



Continue Lendo

Apenas um time do Brasileirão jogou menos que o ‘recordista’ europeu em 2016



Continue Lendo