Público e renda do Brasileirão apresentam crescimento, mas média de gols decepciona



Brasileirão começa neste sábado para quase oito meses de competição (Foto: Divulgação/CBF)

Serão quase oito meses de competição até sabermos quem será o campeão brasileiro de 2016  (Foto: Divulgação/CBF)

Começa neste sábado a 14ª edição do Brasileirão disputado por pontos corridos. Serão oito meses de competição naquele que seria o campeonato da elite do futebol nacional. Neste espaço, falaremos dos números e das estatísticas da competição, assim como aconteceu no Paulistão.

Para dar início aos trabalhos e aquecer a disputa, traremos alguns dados comparativos referentes aos últimos campeonatos, como média de gols, média de público, média de renda, média de cartões e preço médio do ingresso.

De 2012 para cá, a média de público tem aumentado ano após ano. Muito disso por conta das novas Arenas erguidas recentemente e os planos de sócio-torcedor que estão crescendo e fidelizando algumas torcidas. Veja o gráfico:

Gráfico mostra as médias de público desde 2012 no Brasileirão

Gráfico mostra as médias de público desde 2012 no Brasileirão

Os mesmos argumentos ditos anteriormente para o aumento do público, pode ser utilizado para explicar o crescimento da média de renda bruta por jogo do Brasileirão. Quanto mais gente pagando ingresso, maior a arrecadação nas bilheterias, principalmente das Arenas que cobram ingresso mais caro do que em outros estádios. Confira a evolução na imagem abaixo:

Imagem mostra a média de renda do Brasileirão desde a edição 2012

Imagem mostra a média de renda do Brasileirão desde a edição 2012

Como dissemos anteriormente, para as rendas crescerem, além de um público maior, houve uma elevação no preço do ingresso, que pode ser notada claramente no gráfico a seguir. Para se ter noção, de 2012 para 2015, o bilhete encareceu 13 reais, ou seja, aumento de mais de 50% em apenas quatro anos. Observe:

Gráfico destaca o aumento do preço do ingresso desde 2012 no Brasileirão

Gráfico destaca o aumento do preço do ingresso desde 2012 no Brasileirão

Já no quesito cartões amarelos, houve uma queda substancial de 2012 para 2013, o que se confirmou também de 2013 para 2014. No entanto ela registrou um aumento bastante significativo no ano passado, o que pode ser explicado por uma norma da CBF que exigiu mais rigor na aplicação de advertências para jogadores que reclamassem de forma ostensiva contra a arbitragem. Em 2015, 328 amarelos foram dados por esse motivo, 17% do total. Veja no gráfico as oscilações:

Imagem revela a oscilação da média de cartões nas últimas quatro edições do Brasileirão

Imagem revela a oscilação da média de cartões nas últimas quatro edições do Brasileirão

O que não tem sido animador nas últimas edições é, definitivamente, a média de gols. Vale lembrar que em 2014 o campeonato registrou a pior média da era dos pontos corridos, com apenas 2,26 tentos por partida. Nos últimos quatro anos esse número tem se mantido pífio, sempre menor do que 2,5. Confira as estatísticas desde 2008:

Nos últimos quatro anos, média de gols tem sido ruim, registrando até recordes negativos

Nos últimos quatro anos, média de gols tem sido ruim, registrando até recordes negativos

Daqui pra frente trataremos comparações rodada a rodada dos anos anteriores e acompanharemos a evolução ou não desses números. Vai começar o Brasileirão-2016!



MaisRecentes

Roger Machado chega ao Palmeiras com respaldo de analistas e desconfiança do torcedor



Continue Lendo

Fluminense passa dos R$ 3 milhões de prejuízo e clubes do Rio têm saldo negativo no Brasileirão



Continue Lendo

Após pintura de Otero, Atlético-MG domina a Seleção da 36ª Rodada do Brasileirão-2017



Continue Lendo