Paulistão disciplinado: Número de faltas e cartões diminuem; gols aumentam timidamente



Deve haver aqueles que pensam: “Por que eu vou querer saber o números de cartões e faltas no campeonato?”. Realmente são apenas números e números que pouco provam, mas ajudam a entender a evolução do jogo, mesmo que silenciosa e a passos lentos.

Neste Paulistão é possível notar bons sinais nos dois quesitos citados acima. Comparando os dados desta edição com os das duas últimas, consegue-se observar queda na média de cartões e de faltas por partida, sendo que o primeiro é consequência do segundo.

Em 2014, foram marcadas 2.600 faltas nas 80 primeiras partidas do Paulista, enquanto isso no mesmo período em 2015, haviam sido anotadas 2.498 infrações. Em 2016, por sua vez, 2.389 faltas foram cometidas. Veja no gráfico a média por jogo:

Queda na média de faltas por jogo no Paulistão

Queda na média de faltas por jogo no Paulistão

Por consequência de um número menor de faltas cometidas, as advertências também diminuíram. Em 2014, em oito rodadas, 381 cartões amarelos foram mostrados. No mesmo período, em 2015, os juízes aplicaram 379 amarelos, já em 2016, esse dado caiu para 357. Confira no gráfico a média por jogo:

Queda na média de cartões por jogo no Paulistão

Queda na média de cartões por jogo no Paulistão

Pode ter relação ou não, mas o fato é que a média de gols também teve evolução em comparação com as edições passadas. Nas primeiras oito rodadas de 2014 foram marcados 201 gols, em 2015 foram 197 e em 2016, 205. A evolução é praticamente ínfima, mas na melhor das hipóteses, houve melhora. Veja no gráfico abaixo as médias:

Média de gols cresceu ligeiramente nas últimas três edições do Paulistão

Média de gols cresceu ligeiramente nas últimas três edições do Paulistão



MaisRecentes

Palmeiras, Cruzeiro, Bahia e Vitória dominam a Seleção da 28ª Rodada do Brasileirão-2017



Continue Lendo

Quem ama o feio, bonito lhe parece: os cuidados com a análise de São Paulo x Atlético-PR



Continue Lendo

O fracasso do Palmeiras, a queda de Cuca, o revanchismo e a criminalização dos gastos



Continue Lendo