Palmeiras vence Santos e domina a Seleção da 5ª Rodada do Paulistão-2018



Palmeiras bateu o Santos no Allianz Parque e é maioria na Seleção da 5ª Rodada (Foto: Flickr Palmeiras)

O confronto entre Palmeiras e Santos estava sendo bastante aguardado para saber como se comportariam os times de Roger Machado e Jair Ventura, respectivamente, no primeiro clássico em seus novos clubes. Quem se deu melhor foi o Verdão, que venceu o rival por 2 a 1, sem fazer muita força. Essa superioridade o fez dominar a Seleção da 5ª Rodada do Paulistão-2018.

Com a vitória, o Alviverde levou sete personagens para o selecionado. São eles: o goleiro Jailson, o zagueiro Antonio Carlos, Craque da Rodada, o volante Tchê Tchê, o atacante Willian, o centroavante Borja e o técnico Roger Machado.

O São Paulo, que venceu o Botafogo-SP por 2 a 0, não fez boa partida, mas teve alguns destaques individuais, como o lateral-esquerdo Reinaldo, o meia Cueva e o atacante Diego Souza.

Já o Corinthians, que derrotou o Novorizontino por 1 a 0, mostrou menos problemas do que o Tricolor, mas também teve atuação pouco inspirada. Quem se salvou, está na lista dos melhores, como o meia Jadson e o zagueiro Pedro Henrique.

IMPORTANTE: A Seleção da Rodada, como sempre, é definida de acordo com as notas dadas pela redação do LANCE! durante a cobertura dos jogos do campeonato. Entram na lista os jogadores que receberam a melhor avaliação em sua posição.

Técnico: Roger Machado – Palmeiras – 6,5

Confira as notas e os desempenhos de cada um dos integrantes:

Jailson – goleiro – Palmeiras – 6,5

É um iluminado, está invicto há 26 jogos no gol do Verdão e fez duas grandes defesas contra o Santos para manter essa sequência.

Marcos Rocha – lateral-direito – Palmeiras – 6,5

Mais contido por conta dos pontas abertos do Santos, foi muito bem e esteve entre os jogadores que mais desarmaram na rodada.

Antonio Carlos – zagueiro – Palmeiras – 7,0 (CRAQUE)

Uma grata surpresa no estrelado elenco palmeirense. Se firmou na zaga, fez uma grande partida defensivamente no clássico e marcou seu primeiro gol pelo clube abrindo o placar logo no início da partida.

Pedro Henrique – zagueiro – Corinthians – 7,0

Embora seja um pouco contestado pela torcida, fez uma partida segura contra o Novorizontino e foi ao ataque para decidir a partida marcando o gol da vitória.

Reinaldo – lateral-esquerdo – São Paulo – 6,5

Antes vaiado, foi exaltado pelos são-paulinos no Morumbi. Teve participação essencial em um gol, dando assistência para Diego Souza marcar.

Tchê Tchê – volante – Palmeiras – 6,5

Tem uma importância invisível na ocupação de espaços e na marcação, mas essencialmente no início das jogadas entregando passes qualificados.

Cueva – meia – São Paulo – 7,0

Entrou após o intervalo e mudou o panorama da partida, chamando a responsabilidade, cavando faltas e com disposição de reconquistar a confiança do torcedor. Marcou gol de pênalti.

Jadson – meia – Corinthians – 6,5

Se não foi uma de suas partidas mais brilhantes neste ano, conseguiu manter um padrão de boa articulação pelo meio e foi decisivo ao colocar a bola na cabeça de Pedro Henrique.

Willian – atacante – Palmeiras – 7,0

Talvez seja um dos jogadores mais importantes da engrenagem palmeirense desde o ano passado. Marca, cria, corre, se entrega, troca de posição e participa de gol, como foi na jogada que permitiu a Borja mandar a bola para a rede.

Diego Souza – atacante – São Paulo – 7,0

Outro que não teve uma participação brilhante, mas cumpriu exatamente a função para a qual foi escalado. Em momento difícil do jogo, estava bem posicionado para abrir o placar como um centroavante.

Borja – atacante – Palmeiras – 6,5

Parece evoluir em todos os aspectos, no entrosamento com o time, no comprometimento na recomposição e na retomada de bolas, na criação das jogadas e na variação de posição. Contra o Santos, além disso, marcou um belo gol ao seu estilo.

Técnico: Roger Machado – Palmeiras – 6,5

Em seu primeiro clássico no comando do Verdão mostrou ter o time na mão ao controlar como quis a partida assim que abriu o placar no comecinho do duelo. Voltou a acelerar o ritmo no início do segundo tempo e praticamente matou o jogo. Parecia que ganharia quando quisesse.



MaisRecentes

É possível admirar o estilo Fernando Diniz no São Paulo sem ser um Dinizete fanático



Continue Lendo

Corinthians vai de ‘melhor técnico do Brasil’ ao alto risco de eliminação no Paulista



Continue Lendo

Empolgação ou desonestidade? Estreia no Paulista pareceu rodada da Premier League



Continue Lendo