Semi entre Santos e Palmeiras tem favorito, mas passado recente pode fazer a diferença



Palmeiras soube como marcar Lucas Lima nos últimos jogos entre as equipes (Foto: Mauro Horita/Lancepress!)

Palmeiras soube como marcar Lucas Lima nos últimos jogos entre as equipes (Foto: Mauro Horita/Lancepress!)

Não basta apenas a magnitude do clássico entre Santos e Palmeiras, um dos duelos mais tradicionais do futebol brasileiro em todos os tempos, os times criaram ainda uma grande rivalidade nos últimos tempos, principalmente do ano passado para cá, quando se enfrentaram em duas finais recheadas de provocações de ambos os lados.

Cada clube ficou com um título. O Santos venceu o Paulistão e o Palmeiras a Copa do Brasil. Desta vez eles vão medir forças na semifinal do estadual, em jogo único, às 16h horas deste domingo, na Vila Belmiro.

Enquanto o Verdão fez um campeonato irregular, o Santos não passou por dificuldades para chegar às partidas decisivas da competição. Durante a primeira fase o duelo entre os dois terminou em 0 a 0.

As diferenças entre os dois times são evidentes quando os vemos jogar. O Peixe possui um estilo de jogo definido, com toque de bola qualificado, jogadores habilidosos e ataque poderoso. Já o Palmeiras vem encontrando apenas nos últimos jogos um padrão de jogo que há meses não tem.

Quando recorremos aos números fornecidos pelo Footstats para estudar os envolvidos, notamos uma grande diferença no aspecto posse de bola. Em média, a equipe santista fica três minutos e meio a mais com o controle do que os palmeirenses no Paulistão. Veja os dados exatos:

Santos – 16 minutos e 56 segundos em média por jogo
Palmeiras – 13 minutos e 26 segundos em média por jogo

Desses 17 minutos que o Santos fica com a bola por partida, quase seis minutos e meio são dominados por três jogadores: Lucas Lima, Victor Ferraz e Zeca. Eles estão entre os cinco atletas que mais tempo conduzem a bola na competição. Confira a lista que tem Egídio aparecendo em sexto:

Lucas Lima – Santos – 2 minutos e 26 segundos
Camacho – Osasco Audax – 2 minutos e 12 segundos
Victor Ferraz – Santos – 2 minutos e 3 segundos
Zeca – Santos – 1 minuto e 57 segundos
Bruno Silva – Osasco Audax – 1 minuto e 57 segundos
Egídio – Palmeiras – 1 minuto e 54 segundos

A missão do Verdão será evitar que esses três jogadores tenham essa liberdade para pensar o jogo. Lucas Lima, por exemplo, costuma criar, em média, três chances para finalização por confronto.

Por outro lado, o Palmeiras é o time que menos perde bolas no campeonato, ou seja, embora tenha menos posse que o adversário, não tem fama de ser facilmente desarmado, no entanto é também aquele que menos dribla, se arrisca pouco e opta por jogadas menos individualizadas. Enquanto o Santos ocupa a quarta posição no quesito. Observe os números de cada um:

4º Santos – 3,9 dribles por jogo
20º Palmeiras – 1,7 dribles por jogo

Até aqui, o Peixe parece ser o favorito e realmente isso é o que se pode concluir após a análise dos jogos e dos números. Contudo, é importante recordar que nos três últimos duelos entre os dois o Palmeiras soube marcar a origem das jogadas santistas, tanto é que Lucas Lima não se destacou nessas partidas.

Outro fator a favor do Verdão é que Cuca tem sido imprevisível nas formações que monta a partir do adversário. Se Dorival e seus comandados estiverem esperando previsibilidade, podem ser surpreendidos.

Os ingredientes para a semifinal estão determinados e o vencedor longe de ser adivinhado. Certo mesmo é que o vitorioso desse embate sairá ainda mais fortalecido para uma final contra o surpreendente Osasco Audax.



MaisRecentes

Chapecoense bate o Inter e se destaca na Seleção da 25ª Rodada do Brasileirão-2018



Continue Lendo

Palmeiras x Corinthians foi o jogo mais ‘caro’ do Brasileirão-2018; veja a lista



Continue Lendo

Palmeiras, São Paulo, Flamengo e Fluminense dominam a Seleção da 24ª Rodada do Brasileirão-2018



Continue Lendo