Números de Muricy são melhores, mas Zé Ricardo deixa Flamengo mais competitivo



Flamengo mudou de postura após Zé Ricardo assumir comando do time (Foto: Rodrigo Coca/Flamengo)

Flamengo mudou de postura após Zé Ricardo assumir comando do time (Foto: Rodrigo Coca/Flamengo)

Apesar da derrota para o Figueirense por 4 a 2, na partida de ida da segunda fase da Copa Sul-Americana, o Flamengo está forte na briga pelas primeiras posições do Brasileirão-2016. Atualmente ocupa a 4ª colocação, apenas três pontos atrás do líder Palmeiras.

Esse lugar na tabela e o futebol apresentado em campo tem contribuição essencial do trabalho de Zé Ricardo no comando da equipe. O treinador, que a princípio assumiu interinamente, ocupa o lugar deixado por Muricy Ramalho que, por problemas de saúde, teve de deixar o clube.

Desde a quarta rodada à frente do Flamengo e após período de transição realizado por Jayme de Almeida, Zé Ricardo ganhou a confiança do grupo e dos torcedores. Em que pese o fortalecimento do elenco nesse período, tem apresentado resultados mais promissores do que seu antecessor multicampeão.

No entanto, ao compararmos as estatísticas dos dois comandantes em 2016, cria-se um paradoxo entre os dois trabalhos. Enquanto os números de Muricy são, na teoria, melhores, os dados de Zé Ricardo não são tão bons no papel, mas na prática fazem mais efeito. Confira no quadro:

Comparação entre o período comando por Muricy e por Zé Ricardo (Fonte: Footstats)

Comparação entre o período comando por Muricy e por Zé Ricardo (Fonte: Footstats)

Interessante notar que o número de passes certos por partida diminuiu, bem como o de finalizações certas. Além disso, o número de lançamentos por jogo aumentou, consequência (e/ou causa) da queda na troca de passes. O Fla de Zé Ricardo tem menos apreço pelo controle de bola do que o de Muricy, cujos times, curiosamente, conservam a fama de alçarem muitas bolas para a área, algo chamado de “Muricybol”. Neste caso, a equipe de seu sucessor é a que mais cruza na comparação.

É preciso ponderar também o fato de que as estatísticas correspondentes ao período de Muricy na função de treinador são, em sua maioria, construídas no Campeonato Carioca, competição de nível técnico muito inferior ao do Brasileirão, onde os dados de Zé Ricardo foram gerados. Esse aumento de dificuldade pode ser visto na comparação dos números abaixo:

Comparação entre o período comando por Muricy e por Zé Ricardo

Comparação entre o período comando por Muricy e por Zé Ricardo

Nota-se que na época de Muricy, defesa e ataque eram mais eficientes dentro da disputa de um campeonato sem tanto equilíbrio como é o Brasileiro, em que Zé Ricardo esbarra em uma média de mais de um gol sofrido por partida. Por outro lado, observa-se que os aproveitamentos são semelhantes, mas na prática os 61% de Muricy Ramalho, fortalecidos pelo Cariocão, são menos impactantes do que os 58% de Zé no Brasileirão.

A verdade é que o treinador atual recebeu um time com um tipo de filosofia que funcionava em jogos mais brandos, mas necessitava de ajustes para os confrontos mais pesados. A eliminação para o Fortaleza na Copa do Brasil mostrou que a equipe precisava dar um passo atrás na estratégia para poder se encorpar e brigar de igual para igual entre as potências do Brasileirão. Zé Ricardo, até o momento, conseguiu.



  • Antonio

    Burricy matou o flamengo. Técnico teimoso, ultrapassado e que ganhava 400 mil pra não fazer nada. Zé Ricardo está fazendo umas coisas erradas, porém, não se compara as Mherdass que o Burricy fez perdendo de forma humilhante pro timinho do vasco.

  • Dj Thasso Costa

    Se tirar par ou ímpar, ainda dá empate.

  • Jean Monteiro

    Essa comparação é desonesta, Pois Muricy dirigiu o Flamengo no Campeonato Carioca, olhá o nível dos times de lá? Quando pegou times como Fluminense, Vasco, Botafogo e o Atlético Paranaense na Primeira Liga olha no que deu. Na Copa do Brasil foi um vexame, ou seja sempre que foi para decidir algo ou medir forças com alguém maior, perdeu ou empatou..

MaisRecentes

Bahia, Santos, Sport e Ponte Preta dominam a Seleção da 15ª Rodada do Brasileirão-2017



Continue Lendo

Em 2017, São Paulo só é melhor do que o Atlético-GO em duelos contra clubes de Série A



Continue Lendo

No Rio de Janeiro, 83% da renda com bilheteria é destinada a pagar despesas dos jogos



Continue Lendo