Nova postura do Palmeiras de Cuca foi testada contra o Rio Claro e aprovada no Dérbi



Dudu e Gabriel Jesus foram dois dos destaques palmeirenses na vitória por 1 a 0 sobre o rival (Foto: Mauro Horita/Lancepress!)

Dudu e Gabriel Jesus foram dois dos destaques palmeirenses na vitória por 1 a 0 sobre o rival (Foto: Mauro Horita/Lancepress!)

Um clássico pode, muitas vezes, ser considerado como um evento à parte do campeonato. Seja somente pela sua tradição, seja pelos quesitos técnicos e táticos das equipes envolvidas no duelo.

No Dérbi de domingo isso foi muito comentado, já que o Palmeiras, até então em crise e somando apresentações pífias, dominou durante os 90 minutos o Corinthians, que vinha sobrando na competição com atuações convincentes e superiores às do rival.

Foi realmente um jogo de exceção dos palmeirenses? Foi um dia infeliz para os jogadores corintianos? A motivação foi maior de um lado do que do outro? Talvez haja sim um pouquinho de cada um desses fatores.

Certeza mesmo foi a mudança de postura e de estilo de jogo do Palmeiras, independentemente do adversário, visto que, contra o Rio Claro já foi possível ter um esboço do que o Verdão iria fazer no final de semana.

Naquela ocasião, a firmeza na marcação e a compactação da equipe de Cuca já tinha evolução em comparação com os desastres anteriores. Ao todo, foram 29 desarmes certos, o recorde do time no campeonato, cuja média até aquele momento era de 17 roubadas por jogo.

Contra o Corinthians essa compactação e a firmeza na marcação se potencializaram, justamente contra um adversário que gosta de ficar com a bola e tem paciência para esperar o momento certo para definir.

O ímpeto do Palmeiras foi tanto que o Timão não conseguiu reproduzir o melhor de seu jogo, ficando acuado em boa parte do duelo, sem ter saída para o ataque. Dessa vez os palmeirenses fizeram 25 desarmes certos, a segunda melhor marca do time no campeonato.

A intensidade palmeirense não deu a menor chance de saber se o Corinthians jogou mal. O que saltou aos olhos foi a atuação dos comandados de Cuca, que já havia sido ensaiada na partida anterior.

Difícil prever se essa atuação será repetida, mas uma mudança de postura testada e aprovada contra o maior rival, líder absoluto e considerado o melhor do campeonato, não pode ser ignorada.



MaisRecentes

É possível admirar o estilo Fernando Diniz no São Paulo sem ser um Dinizete fanático



Continue Lendo

Corinthians vai de ‘melhor técnico do Brasil’ ao alto risco de eliminação no Paulista



Continue Lendo

Empolgação ou desonestidade? Estreia no Paulista pareceu rodada da Premier League



Continue Lendo