No clássico, Palmeiras precariza posse de bola e Santos não aproveita chances criadas



Quem tirou o final da tarde do último sábado para assistir ao clássico entre Palmeiras e Santos provavelmente ficou bastante decepcionado com o que viu. Tirando o fato de o campo ter aguentado muito bem o temporal que caiu sobre Allianz Parque, de resto pouco pôde ser tirado como positivo.

O time da casa, mais uma vez, passou longe de agradar ao seu torcedor. Embora o meio-campo tenha se mostrado mais consistente com três homens de marcação e Thiago Santos “limpando” a cabeça da área, a criação é praticamente inexistente nos momentos ofensivos. Jogadores não conseguem se safar do adversário e o último passe dificilmente chega ao seu objetivo. Equipe acaba precarizando a posse de bola.

As alternativas são limitadas. Se não consegue furar o bloqueio defensivo tocando a bola, ela é lançada, não importa o local do campo. Com exceção de Arouca, Régis e Alecsandro, todos os palmeirenses lançaram pelo menos uma vez na partida. No entanto, contra o Peixe, a preferência foi pelos cruzamentos para a área que tiveram baixíssima eficácia. Dos 23 tentados, apenas três tiveram destino certo. Dudu e Lucas, juntos, cruzaram dez vez e erraram todas.

O Santos, por sua vez, não mudou seu estilo de jogo por conta do adversário. Pelo contrário, manteve o apreço pela posse e pelo toque de bola. Para se ter uma ideia, o time de Dorival Júnior trocou 150 passes a mais do que o time de Marcelo Oliveira. Número alto para quem era o visitante e enfrentava um mandante que precisava dominar o jogo. No fim o Peixe ficou com 56% do tempo de posse e o Palmeiras com 44%.

Com Lucas Lima e Renato, a tendência é a criação do time ser de pé em pé com precisão no último passe que invariavelmente surpreende a linha defensiva adversária. Porém, não adiantou apenas os passes chegarem ao seu destino, uma vez que as conclusões não acompanharam a eficiência das assistências. As chances perdidas por Gabigol e as defesas de Fernando Prass não deixaram que o placar diagnosticasse quem foi superior na partida.



MaisRecentes

É possível admirar o estilo Fernando Diniz no São Paulo sem ser um Dinizete fanático



Continue Lendo

Corinthians vai de ‘melhor técnico do Brasil’ ao alto risco de eliminação no Paulista



Continue Lendo

Empolgação ou desonestidade? Estreia no Paulista pareceu rodada da Premier League



Continue Lendo