Kléber amplia liderança na artilharia e Atlético-MG se torna o melhor ataque entre os clubes da Série A



Atlético-MG assumiu a ponta entre os melhores ataques da Série A em 2016 (Foto: Dudu Macedo/LANCE!Press)

Atlético-MG assumiu a ponta entre os melhores ataques da Série A em 2016 (Foto: Dudu Macedo/LANCE!Press)

Após a primeira rodada do Brasileirão e os jogos de meio de semana pela Copa Libertadores e pela Copa do Brasil, tivemos algumas movimentações nos rankings de artilheiros e de melhores ataques entre os clubes que disputam a Série A.

Na lista de goleadores, Kléber, do Coritiba, ampliou sua liderança com mais dois gols marcados, um em cada competição (Brasileiro e Copa do Brasil). Já Gabriel Jesus, com os dois tentos sobre o Atlético-PR, atingiu 11 bolas na rede na temporada e se aproximou dos líderes. Grafite com dois gols no Brasileirão, e um total de dez no ano, figura agora entre os principais artilheiros. Veja na imagem:

Ranking mostra os principais artilheiros entre os clubes da Série A em 2016

Ranking mostra os principais artilheiros entre os clubes da Série A em 2016

Já no ranking de melhores ataques da temporada, houve uma troca na liderança. Após a eliminação na Libertadores e um 0 a 0 no Brasileirão, o Grêmio estagnou nos 49 gols e perdeu a ponta da lista para o Atlético-MG, que chegou aos 50 tentos em 2016. Na lanterna do ranking estão os rivais do Galo, Cruzeiro e América-MG, que continuam brigando com o Botafogo como os piores ataques entre os clubes da Série A neste ano. Confira a lista completa:

Lista traz quantos gols cada time da Série A marcou neste ano

Lista traz quantos gols cada time da Série A marcou neste ano

Obs.: Os dados levantados aqui contam apenas jogos oficiais de 2016



  • Lindolfo Pixain

    Não Ijuí o

  • wp_ss_20160522_0007 (2).png

MaisRecentes

Bahia, Santos, Sport e Ponte Preta dominam a Seleção da 15ª Rodada do Brasileirão-2017



Continue Lendo

Em 2017, São Paulo só é melhor do que o Atlético-GO em duelos contra clubes de Série A



Continue Lendo

No Rio de Janeiro, 83% da renda com bilheteria é destinada a pagar despesas dos jogos



Continue Lendo