Grandes do Paulistão provam o óbvio: o individual interfere no coletivo e vice-versa



Favorito, mas mal coletivamente, Palmeiras não pôde fazer o individual bater o coletivo do Corinthians (Foto: Gil Guzzo/Ofotográfico)

Mais uma rodada do Paulistão-2019 terminou para os quatro grandes da competição e não foi uma jornada qualquer, pelo contrário. Com um clássico, considerado por muitos o maior do país, uma vitória providencial e uma goleada vexaminosa, os clubes mais tradicionais do estado provaram o óbvio: o individual interfere no coletivo e o coletivo interfere no individual. A caixinha de surpresa do campeonato está aberta e parece que não poupará os principais concorrentes ao título.

A 5ª Rodada do estadual paulista começou com o clássico entre Palmeiras e Corinthians, no Allianz Parque. Parecia bem nítido que o favoritismo era todo dos donos da casa, apesar do histórico recente contra Fábio Carille. Só que o técnico do Timão mostrou mais uma vez que tem a receita para parar o maior rival, seja lá qual for o tamanho da vantagem adversária.

Visivelmente mais preparados em todos os sentidos, principalmente no psicológico, os corintianos ganharam o controle do jogo desde os primeiros minutos, batalhando por uma bola, que veio logo no início com o gol de Danilo Avelar. Mesmo em inferioridade técnica, o coletivo do Corinthians funcionou perfeitamente e forçou os palmeirenses a tomarem as atitudes que beneficiaram os visitantes. Não deu para identificar o melhor alvinegro em campo, a força do grupo fez a diferença.

O Palmeiras, por sua vez, se mostrou pilhado desde os primeiros minutos, entrando no jogo do adversário. Mas se havia uma agitação para discutir, faltou ação para impor a qualidade técnica do melhor elenco do país. Um time apático, pouco inspirado e com um preparo físico que parece longe do ideal, não deu espaço para que individualidades como a de Dudu pudesse fazer algo diferente para empatar ou virar a partida. Era o coletivo, em um péssimo dia, agindo contra o individual.

Já o São Paulo, no Pacaembu, vinha de duas derrotas bastante traumáticas: contra o Santos, em que foi atropelado, e diante do Guarani. em que não teve inspiração para furar a retranca em quase 90 minutos. Com um time praticamente inteiro de reservas, o único titular foi aquele que fez a diferença: Hernanes. Em um jogo de baixíssimo nível técnico contra o São Bento, o Tricolor parecia incapaz, novamente, de vazar uma defesa.

No entanto, se o coletivo não funcionava, era chegada a hora do individual chamar a responsabilidade e fazer o ‘algo a mais’. Foi aí que apareceu o Profeta para tirar ‘um coelho da cartola’. O meio-campista ambidestro, ajeitou para o pé esquerdo e acertou um belo chute sem chances para Henal, o goleiro adversário. O balançar da rede foi um alívio para os são-paulinos, que conquistaram uma vitória rejuvenescedora para enfrentar o Talleres, pela Copa Libertadores, na próxima quarta-feira.

Apesar da importância das passagens acima, nenhuma delas foi mais surpreendente do que a goleada que o Santos levou do Ituano, fora de casa. O placar de 5 a 1 foi elástico, mas poderia ter sido ainda mais contra um Peixe irreconhecível, que provoca dificuldade na análise do que saiu errado. A volta de Pituca? A formação sem os três zagueiros? A intensidade menor? Ou a falta de individualidades para qualificar o coletivo?

Não parece que tenha havido uma mudança enorme na estratégia de Sampaoli, que foi prejudicada por vacilos individuais que contaminaram a atenção coletiva. Erros na saída de bola como o de Copete, improvisado na lateral esquerda, o desgaste dos principais atletas, que não têm substitutos em um elenco limitado, as falhas de Felipe Aguilar, que chegou e já jogou, a falta de jogadores para o setor ofensivo… Todos esses são fatores individuais que o coletivo não conseguiu esconder, e na primeira bobeada, evidenciou tudo em ‘efeito dominó’. Isso mostra o trabalho enorme que treinador argentino vem fazendo no Santos.

Evidentemente que após cinco rodadas e praticamente um mês de trabalho, é impossível tirar qualquer conclusão. Analisar os quatro grandes apenas pelo resultado é algo extremamente descabido. Mas já ficou destacado que cada um dos quatro grandes tem seu ponto fraco, apesar das qualidades que, na maioria das vezes, acabam fazendo a diferença. Todos estão sujeitos aos caprichos do futebol e pelo menos nessa 5ª Rodada do Paulistão eles tiveram a prova de que individual e coletivo têm uma relação íntima, decisiva para o que mostra o placar.



MaisRecentes

É possível admirar o estilo Fernando Diniz no São Paulo sem ser um Dinizete fanático



Continue Lendo

Corinthians vai de ‘melhor técnico do Brasil’ ao alto risco de eliminação no Paulista



Continue Lendo

Empolgação ou desonestidade? Estreia no Paulista pareceu rodada da Premier League



Continue Lendo