Em 18 meses, Monaco sai de semi na Champions e se torna o pior clube da elite da Europa



Em má fase na temporada, Monaco ainda conta com Falcao García como seu principal jogador (Foto: Valery Hache/AFP)

O futebol é mesmo daquelas obras da humanidade que produz desfechos difíceis de explicar. Como um clube que usufrui de um enorme sucesso pode, em pouco tempo, namorar com um fracasso retumbante? Foi exatamente isso que aconteceu com o Monaco entre o término da temporada 2016/2017 e este início de 2018/2019. Apenas 18 meses separam uma semifinal de Liga do Campeões e um título do Campeonato Francês contra o poderoso PSG, do momento atual, em que o time tem o pior aproveitamento da elite europeia.

Pegando como recorte os times de primeira divisão das principais ligas da Europa (Alemanha, Espanha, França, Inglaterra e Itália), temos um universo de 98 clubes, se calcularmos o desempenho deles em jogos oficiais nesta temporada, o Monaco ocupa a posição de número 98, ou seja, a última. Algo inexplicável para o clube que tornou a vida do PSG um pouco mais difícil no futebol local, inclusive disputando títulos.

No entanto, na virada de 2017/2018 para 2018/2019 as coisas mudaram. Até aqui são 18 partidas oficiais, apenas uma vitória, contra o Nantes na 1ª Rodada do Campeonato Francês, cinco empates e absurdas 12 derrotas, recorde da temporada. Isso resulta em um aproveitamento de 14,81% dos pontos que disputou. Fica atrás apenas do Chievo, da Itália, com 15,38%. O PSG, por exemplo, que tem a terceira posição no ranking, acumula 87,04%.

Já eliminado da Liga dos Campeões na fase de grupos, longe da disputa por qualquer coisa no Campeonato Francês, em que ocupa a penúltima posição, com uma troca de técnico na temporada e com pouca perspectiva de melhora, o Monaco parece não ter mais o mesmo poder de recuperação de outras épocas quando foi alvo do mercado por conta do potencial de seus jogadores. Em 2018/2019 as saídas não foram repostas com nível semelhante.

As vendas de Fabinho para o Liverpool, Diakhaby para o Huddersfield, João Moutinho para o Wolverhampton, Lemar para o Atlético de Madrid, e até de Ghezzal para o Leicester, praticamente ruíram uma base que ainda se sustentava mesmo após as perdas de Bernardo Silva,  Mbappé, Bakayoko e Mendy, na temporada anterior. Nem mesmo o técnico Leonardo Jardim, responsável pela evolução do time, que estava no clube desde junho de 2014, resistiu aos resultados ruins e foi demitido em outubro deste ano

Sobrou para Henry, que foi auxiliar de Roberto Martínez na seleção belga, a missão de tentar salvar a temporada do Monaco, caindo aos pedaços e que ainda deve enfrentar debandadas na próxima janela de transferências. No momento a tarefa parece ser, no mínimo, tentar uma vaga na Liga Europa, com a terceira posição em seu grupo na Champions, avançar nas Copas Nacionais, e evitar um rebaixamento no Campeonato Francês, objetivos que parecem distantes para uma equipe que só comemorou uma vitória em três meses de competições.

Confira a lista dos piores aproveitamentos entre os clubes da elite europeia em 2018/2019:

Ranking dos Piores Aproveitamentos da Elite Europeia em Jogos Oficiais na Temporada 2018/2019



MaisRecentes

Fair play financeiro? Palmeiras domina arrecadação do Brasileirão-2018



Continue Lendo

Palmeiras e Rojas fecham Brasileirão no topo da lista de amarelos por reclamação



Continue Lendo

No Brasileirão-2018, 67% dos jogos no Rio de Janeiro tiveram prejuízo com bilheteria



Continue Lendo