De novo com Mano, Cruzeiro melhora, retorna aos eixos e cresce no Brasileirão-2016



Mano Menezes retornou ao Cruzeiro e novamente colocou o time nos eixos (Foto: Gil Guzzo/Eleven/Lancepress!)

Mano Menezes retornou ao Cruzeiro e novamente colocou o time nos eixos (Foto: Gil Guzzo/Eleven/Lancepress!)

As trocas no comando técnico das equipes são frutos de políticas simplistas de controle de crises nos clubes brasileiros, no entanto, em alguns momentos elas acabam sendo mais do que necessárias para o funcionamento dos times, além de acabarem se tornando marcos na mudança de rumo nas competições.

Esse é o caso do Cruzeiro que, antes mesmo de o Brasileirão começar, já havia trocado Deivid pelo português Paulo Bento. A passagem do técnico estrangeiro durou 15 rodadas e a penúltima posição na tabela de classificação do campeonato.

A alternativa, disponível no mercado, foi a contratação de um velho conhecido: Mano Menezes, treinador que teve passagem expressiva pelo clube no último Brasileiro.

Naquela ocasião ele assumiu o cargo na 23ª rodada, em 15º lugar e a dois pontos da zona de rebaixamento. Mano acabou levando o time até a 8ª posição ao final do campeonato, afastando qualquer possibilidade de rebaixamento. No entanto, sua permanência na Raposa em 2016 foi interrompida por conta de uma proposta irrecusável do futebol chinês.

Comparação entre o período antes de Mano e após a chegada do treinador em 2015

Comparação entre o período antes de Mano e após a chegada do treinador em 2015

Neste Brasileirão a situação estava pior do que no ano passado. Na 17ª rodada, quando Mano assumiu, o Cruzeiro ocupava a penúltima colocação e era o pior mandante.

O cenário de caos estava instaurado e o melhor nome para tirar a equipe daquela situação estava de volta, com conhecimento de causa. Hoje, após seis jogos no comando, já conseguiu tirar o time do Z4, ocupa a 14ª posição na tabela e não perde há cinco partidas (3 vitórias e 2 empates).

Comparação entre o período antes de Mano e após a chegada do treinador em 2016

Comparação entre o período antes de Mano e após a chegada do treinador em 2016

A única derrota foi por 2 a 0, para o Santos, na Vila Belmiro, logo em sua partida de reestreia, mas não demorou muito para o treinador impor o seu estilo e reajustar o grupo.

Comparando os números da “era Mano” com os números do período anterior, nota-se mudanças significativas, principalmente nos gols marcados, cuja média aumentou, e nos gols sofridos, cuja média diminuiu. Além disso, o saldo de gols, enfim, deixou de ser negativo.

Tem destaque também o aumento do número de desarmes do Cruzeiro que, nesses seis jogos, é o líder no quesito, ou seja, a equipe passou a brigar mais pela recuperação da posse, diferentemente do que se via. Ainda na questão do controle de bola, as perdas diminuíram bruscamente. De uma média de 37,1 por jogo, passou a ser de 27,5. Em outras palavras, a Raposa tem perdido dez bolas a menos por partida.

Comparação entre as estatísticas antes e depois da chegada de Mano em 2016 (Fonte: Footstats)

Comparação entre as estatísticas antes e depois da chegada de Mano em 2016 (Fonte: Footstats)

Faz parte do “pacote Mano Menezes” o começo do trabalho ser baseado na correção dos erros, acertando os pontos em que a equipe acusa falhas e, a partir daí, aproveitar aquilo que já havia de melhor no time. Foi assim no ano passado e tem sido assim agora, quando o Cruzeiro tende a evoluir de vez na temporada.



MaisRecentes

Confira a Seleção LANCE! do Brasileirão-2017 e os candidatos a Craque após a 10ª Rodada



Continue Lendo

Corinthians, Cruzeiro e Palmeiras dominam a Seleção da 10ª Rodada do Brasileirão-2017



Continue Lendo