‘Cucabol’? Nem tanto! Flamengo usa mais a bola aérea do que o Palmeiras no Brasileirão



A jogada aérea, que seria característica do Palmeiras, é mais comum nas estatísticas do Flamengo (Foto: Eduardo Viana/Lancepress!)

A jogada aérea, que seria característica do Palmeiras, é mais comum nas estatísticas do Flamengo (Foto: Eduardo Viana/Lancepress!)

Após a 29ª rodada, Palmeiras e Flamengo polarizaram um pouco mais a briga pelo título. Embora o Atlético-MG esteja próximo dos dois, o empate contra o Corinthians afastou, por ora, os mineiros de disputar a liderança na tabela.

No confronto direto, dentro de campo, o Verdão levou vantagem sobre o Rubro-Negro, conquistando quatro pontos contra apenas um do adversário, em empate no Allianz.

No entanto, esse duelo também tem sido disputado fora de campo, com vertentes que criticam o futebol apresentado pelo Palmeiras e consideram que o Flamengo atua em nível mais elevado, e outros que acreditam que o Alviverde joga de acordo com o que o campeonato pede e os cariocas também não apresentam nada demais a ponto de serem líderes.

A principal crítica ao futebol apresentado pelo Verdão é o chamado ‘Cucabol’, que consiste na ‘insistência’ dos palmeirenses em utilizar a bola aérea como modo de jogo. Porém, se pegarmos as estatísticas do Footstats, veremos que isso não é verdade. Aliás, os dados relacionados a esse tema são maiores quando dizem respeito aos flamenguistas.

Enquanto o Palmeiras cruza 15,1 bolas por partida, o Flamengo cruza 18,2. Já no quesito escanteios o Fla tem, em média, 5,7 por jogo, e o Verdão 4,4, ou seja, mais uma estatística de jogada de bola aérea que mostra que o líder do campeonato não é o time que mais abusa dessa prática. Veja o quadro abaixo:

Comparativo entre as médias das estatísticas de Palmeiras e Flamengo no Brasileirão-16 (Fonte: Footstats)

Comparativo entre as médias por jogo das estatísticas de Palmeiras e Flamengo no Brasileirão-16 (Fonte: Footstats)

Se pegarmos os dados de passes certos e posse de bola, o Rubro-Negro leva vantagem. São 364,1 passes certos contra 324,7 do Verdão. Além disso, os cariocas tem quase um minuto e meio a mais de posse do que os rivais na briga pelo título.

Enquanto o Flamengo roda a bola e cadencia mais a partida, tendo como base esses números, o Palmeiras é mais objetivo, tanto é que no quesito finalizações certas por partida o placar é de 6 a 5 a favor dos paulistas, que lideram essa estatística no Brasileirão-16.

Vale lembrar que o time de Cuca tem o melhor ataque (52 gols) da competição e o melhor saldo de gols (25), critério que lhe dá boa vantagem caso haja empate em pontos com a equipe de Zé Ricardo, que tem 14 gols de saldo até o momento.

Outro ponto a favor do Palmeiras é o número de desarmes certos. São 17,5 em média por partida, contra 17 do Flamengo. Há também mais eficiência para retomar a bola, dar mais segurança ao setor defensivo e armar com rapidez o contra-ataque.

Em resumo, o clichê “gosto não se discute” se aplica muito bem nessa ocasião. Cada um dos dois times que hoje disputam o título tem o seu estilo peculiar de jogo, não se parecem, mas funcionam de forma semelhante. O Verdão, porém, encontrou uma maneira mais eficiente de jogar e isso tem sido suficiente para deixá-lo na liderança por 20 rodadas.



MaisRecentes

É possível admirar o estilo Fernando Diniz no São Paulo sem ser um Dinizete fanático



Continue Lendo

Corinthians vai de ‘melhor técnico do Brasil’ ao alto risco de eliminação no Paulista



Continue Lendo

Empolgação ou desonestidade? Estreia no Paulista pareceu rodada da Premier League



Continue Lendo