Com ingressos caros, Corinthians, Flamengo e Palmeiras lideram arrecadação no Brasileirão



Corinthians na Arena em 2017:  359.693 pagantes - 13 jogos - 27.669 pagantes por jogo (Foto: Agência Corinthians)

Corinthians lidera ranking de público e renda do Brasileirão-2017 (Foto: Agência Corinthians)

Os torcedores de Corinthians, Flamengo e Palmeiras muito provavelmente estão entre os mais fiéis, mais engajados e os campões de público, principalmente nos últimos anos, com as novas arenas e as novas práticas de comercialização de ingressos. No Brasileirão-2017 não tem sido diferente. Timão e Verdão disparam no ranking de média de público, mas recebem a companhia do Rubro-Negro carioca quando o assunto é faturamento. (Confira os rankings na galeria abaixo)

Juntos, os três faturaram R$ 25,2 milhões em renda bruta com seus jogos como mandantes. Para se ter uma noção, se juntarmos a bilheteria de todos os 110 jogos da competição até aqui, a somatória chega a quase R$ 59,6 milhões, ou seja, o trio é responsável por mais de 40% do faturamento bruto de todo o campeonato.

Com seis jogos em casa, o Corinthians é o time que mais acumulou renda bruta, quase R$ 11,2 milhões. Em segundo lugar, com cinco jogos como mandante, está o Palmeiras, que arrecadou R$ 8,9 milhões. Já 0 Flamengo, também com cinco jogos em casa, faturou R$ 5,1 milhões com bilheteria.

Nada disso, porém, seria possível analisar sem termos em mãos o preço médio do ingresso de cada um dos clubes do Brasileirão. Palmeiras, Flamengo e Corinthians são os únicos que cobram, em média, mais de R$ 50 por bilhete. O quarto neste ranking é o Grêmio, que cobra R$ 37, aproximadamente R$ 14 a menos dos que os concorrentes.

Veja na galeria abaixo os rankings completos com os números citados acima:



MaisRecentes

Venha sem preconceitos, pois precisamos falar da fase de Felipe Melo no Palmeiras



Continue Lendo

No futebol nossa torcida é mais contra ou a favor? Até que ponto a paixão nos cega?



Continue Lendo

Mesmo sem estar com a barriga cheia, Palmeiras parece não ter fome em 2019



Continue Lendo