Botafogo criou fato novo com Jair Ventura; São Paulo não evoluiu com Ricardo Gomes



A campanha do Botafogo sob o comando de Jair Ventura já é um dos fatos mais espetaculares deste Brasileirão. O Alvinegro passou de sério candidato ao rebaixamento a fortíssimo postulante a garantir uma das vagas para a Copa Libertadores do ano que vem.

Com a saída de Ricardo Gomes, contratado pelo São Paulo para substituir Edgardo Bauza, o Fogão decidiu efetivar o auxiliar Jair Ventura como treinador. Coincidência ou não, a troca foi muito mais benéfica ao clube carioca do que para o paulista. Basta observar a posição de cada um na tabela de classificação.

Ricardo deixou o Botafogo com 37% de aproveitamento e na 15ª posição, dois pontos à frente da zona de rebaixamento. Na atual configuração do campeonato, o Bota ocupa a 5ª posição com um aproveitamento de 53,7%. Esse salto tem como impulso as dez vitórias e três derrotas de Jair, resultando em 76,9% de aproveitamento. Tal número lhe dá o status de melhor técnico da competição nesse quesito, à frente até de Cuca (68,8%).

Ranking de Aproveitamento dos técnicos com mais de dez jogos no Brasileirão-2016

Ranking de Aproveitamento dos técnicos com mais de dez jogos no Brasileirão-2016

O Tricolor, por sua vez, estava em 12º lugar quando seu novo treinador assumiu, mesma posição em que se encontra atualmente, ou seja, na teoria não houve melhora em relação ao trabalho anterior.

Somando a vitória sobre o Fluminense, o São Paulo de Ricardo Gomes tem 39,4% de aproveitamento contra 43,3% dos trabalhos de Bauza (18 jogos) e André Jardine (2 jogos). Se fizermos a comparação com o desempenho de Ricardo no Bota, também veremos que ele mantém números bem parecidos: 37% x 39,4%.

Comparação entre os aproveitamentos nos diferentes momentos de São Paulo e Botafogo no Brasileirão-2016

Comparação entre os aproveitamentos nos diferentes momentos de São Paulo e Botafogo no Brasileirão-2016

Podemos também nos aprofundar nas estatísticas desses momentos distintos das equipes em questão. A diferença maior é na comparação entre o Botafogo de Ricardo Gomes e o Botafogo de Jair Ventura.

Na primeira parte do campeonato, o Bota trocava 329,4 passes certos por jogo, já com Jair são 262,8. Além disso, finalizava 4,5 vezes por jogo contra 3,6 atualmente. Curiosamente, mesmo sem ter tanta posse de bola e com poucas finalizações, o time marca mais gols em média (1,31 x 1,28) e sofre muito menos (0,46 x 1,61). Uma das explicações, talvez, seja o aumento na média de desarmes por duelo: passou de 16,2 para 17,2.

Comparativo do trabalho de Ricardo Gomes com o de Jair Ventura no Botafogo (Fonte: Footstats)

Comparativo do trabalho de Ricardo Gomes com o de Jair Ventura no Botafogo (Fonte: Footstats)

Enquanto isso, o São Paulo não teve muita mudança nos quesitos passes certos e finalizações, mas sentiu enorme diferença nos desarmes. Com Ricardo, o Tricolor desarma 20,8 vezes por partida, contra 17,8 no comando anterior. O time passou a ser mais ‘brigador’, mas não conseguiu melhorar o ataque, tampouco seu saldo de gols, que está negativo.

Comparativo do São Paulo com e sem Ricardo Gomes no comando (Fonte: Footstats)

Comparativo do São Paulo com e sem Ricardo Gomes no comando (Fonte: Footstats)

Definitivamente a troca foi melhor para o Botafogo do que para o São Paulo, mas é preciso considerar o quanto o trabalho de Jair Ventura é espetacular, além de ter criado um fato realmente novo no time.



MaisRecentes

Roger Machado chega ao Palmeiras com respaldo de analistas e desconfiança do torcedor



Continue Lendo

Fluminense passa dos R$ 3 milhões de prejuízo e clubes do Rio têm saldo negativo no Brasileirão



Continue Lendo

Após pintura de Otero, Atlético-MG domina a Seleção da 36ª Rodada do Brasileirão-2017



Continue Lendo