Para que serve um ano olímpico?



Minha coluna para o Lance! de hoje- 04/01/2016

Iniciamos 2016 com a reta final de preparação do Rio de Janeiro para receber o maior evento esportivo da terra. O megaevento tem potencial real de transformação da cidade sede em suas dimensões infraestruturais, turísticas, econômicas e sociais, não apenas em âmbito regional mas também nacional e internacional.

O legado dos Jogos Olímpicos e todos os seus impactos tão alardeados por aqui já se mostraram viáveis do ponto de vista econômico em outras cidades. O ponto crítico da preparação do Rio de Janeiro é a mesma verificada na Copa do Mundo, falta de pudor dos políticos e dirigentes com os gastos públicos.

RJ

O drama da população fluminense com o caos da saúde pública comprova isso, já que recursos municipais e estaduais estão alocados em uma série de elefantes brancos. Os Jogos de 2016, assim como a Copa do Mundo ficarão inviáveis economicamente pelos os inflados gastos sem retorno efetivo.

A Copa mostrou que o impacto de milhões de turistas viajando pelo Brasil foi insignificante perto dos altos custos do evento e principalmente por sua gestão desastrosa para a economia do Brasil. Isso porque os feriados decretados durante o evento foram os responsáveis pelo fiasco econômico do megaevento e o desaquecimento da economia.

Um ano Olímpico é uma real oportunidade de mudar a cidade sede mas também o país. O Brasil vive um drama, o sedentarismo. Segundo o IBOPE somente 30% da população pratica esporte de forma regular, 42% nas classes AB, 27% na C e 19% nas classes D e E. O nível de sedentarismo da população, especialmente dos mais jovens é uma epidemia, com consequências gravíssimas para futuras gerações.

Os dados comprovam que praticar esporte é uma questão de renda. Portanto o estado tem papel fundamental e deve cuidar disso. Se vai gastar bilhões de reais em arenas e complexos esportivos, todos fadados a virar elefantes brancos, por que não os direcionar totalmente para a prática esportiva amadora de jovens sem acesso a clubes, academias e escolinhas de futebol?

Os Jogos Olímpicos podem mudar como um país se relaciona com esporte. Está comprovado que quanto mais uma pessoa pratica esporte, mais saudável se torna e, portanto, reduz diretamente os gastos do estado com saúde pública.

O megaevento deveria servir de catalisador para que os brasileiros começassem a entender o esporte como parte importante da sua vida. Infelizmente quem detinha a chave do cofre e o poder para fazer não entendeu isso.



MaisRecentes

Discrepância dos direitos de TV no Brasil, um erro da Globo



Continue Lendo

Gestão de patrocínio no futebol brasileiro está obsoleta



Continue Lendo

Entendendo as finanças dos clubes brasileiros em 2016



Continue Lendo