Orlando City e seus 30 patrocinadores



Na última semana chamou a atenção nas redes sociais do proprietário do Orlando City, Flavio Augusto da Silva, a divulgação de mais dois novos patrocinadores para o time. Nada menos que os gigantes Mc Donald´s e Ford integram o grupo de parceiros dos Lions de Orlando.

Isso tem uma clara explicação. Enquanto os clubes brasileiros sofrem para negociar seus patrocínios, em um modelo arcaico e atrasado, o Orlando City já nasce com um departamento de marketing e vendas qualificado, adequado aos desafios de participar da MLS.

Segundo dados da Forbes a Liga de soccer faturou em 2014 US$ 461 milhões com 18 times. O valor das franquias somadas já ultrapassa US$ 2,8 bilhões.  A entrada do Orlando City e do New York City simplesmente impulsionou ainda mais os números. Seus projetos foram decisivos para fortalecer a Liga que não para de crescer. Ambos já estão entre os times mais populares da MLS.

A estratégia foi trazer grandes nomes usando a regulação “designated player rule”, que permite a contratação de estrelas com salários acima do teto salarial da Liga para cada time. Assim, o New York City trouxe o trio Lampard ganhando US$ 6 milhões por ano, Villa US$ 5,6 milhões e Pirlo com salários de US$ 2,3 milhões anuais. O Orlando City contratou Kaká, que tem o maior salário da MLS com ganhos de US$ 6,7 milhões anuais.

Assim, o Orlando City construiu um projeto esportivo/mercadológico que está rendendo muitos frutos. O time já conta com mais de 30 patrocinadores, alguns são da MLS como a Adidas e muitas marcas são parceiras diretas do time.

O time conta com o apoio de marcas como Walt Disney World, Heineken, Adidas, Audi, Coca-Cola, Panasonic, Sherwin Williams, Subway, Tommy Hilfiger e Jetblue. E agora Mc Donald´s e Ford. E outras 19 desconhecidas do público brasileiro, mas importantíssimas em seus projetos de marketing.

Foto: Marcos Peres

Foto: Marcos Peres

Para a MLS além do foco global da competição, uma de suas maiores forças é seu apelo regional, que atrai o interesse de marcas patrocinadoras locais. Outro aspecto é a importância para marcas globais, que querem interagir e ativar ações de marketing com o consumidor em sua comunidade.

Os Lions já venderam mais de 18 mil season tickets para a temporada, 72% da capacidade do seu novo estádio. Também um fator crítico para o sucesso da MLS. Segundo a Forbes em mais dois anos 80% dos times jogarão em arenas próprias, totalmente destinadas ao soccer.

O projeto de expansão chegará a 24 times com novas franquias em Atlanta, Minnesota, Los Angeles e Miami, com o time do David Beckham. Os novos times injetarão mais de US$ 450 milhões na MLS.

Os 20 maiores clubes brasileiros faturam hoje US$ 750 milhões e estão estagnados. Pela eficiência dos americanos e incapacidade nossa, em pouco tempo seremos ultrapassados por eles.

E seus times seguramente serão mais relevantes no cenário internacional que os brasileiros.



MaisRecentes

Discrepância dos direitos de TV no Brasil, um erro da Globo



Continue Lendo

Gestão de patrocínio no futebol brasileiro está obsoleta



Continue Lendo

Entendendo as finanças dos clubes brasileiros em 2016



Continue Lendo