Nem Coronel Nunes, nem Delfim Peixoto



A semana que vem promete ser agitada na CBF.

Os aliados de Marco Polo del Nero tentam, por meio de uma manobra eleitoral, emplacar o nome do Coronel Nunes, presidente da Federação Paraense de Futebol, como novo vice mais velho da entidade. Inclusive com apoio inadmissível dos 4 grandes clubes de São Paulo.

Do outro lado, o grupo que apóia a Primeira Liga quer Delfim Peixoto, presidente da Federação Catarinense de Futebol  na vice-presidência. Como são os mais velhos, teriam o direito de assumir a entidade. Independente se tem qualificação. Aqui é só o poder, pelo poder.

Uma coisa está clara, para o um futuro diferente do caos atual do futebol brasileiro, nem Coronel Nunes, nem Delfim Peixoto têm qualquer condição de assumir o comando do futebol brasileiro.

Os clubes mais uma vez se mostram covardes e sem nenhuma noção do momento histórico que poderíamos vivenciar.

Os grandes clubes do futebol brasileiro estão mais uma vez associados ao atraso, apoiando o que de mais antiquado e despreparado temos hoje para comandar a CBF.

A hora é de mudança, de ruptura. Temos que buscar um novo nome para comandar a CBF, totalmente fragilizada.

Se algum desses dois nomes assumir a CBF, a responsabilidade será toda dos 40 clubes das Série A e Série B. Só deles!



MaisRecentes

Real Madrid atinge a maior receita de sua história



Continue Lendo

Falta de oxigenação de ideias no futebol brasileiro



Continue Lendo

A crise eterna dos times brasileiros



Continue Lendo