Nem Coronel Nunes, nem Delfim Peixoto



A semana que vem promete ser agitada na CBF.

Os aliados de Marco Polo del Nero tentam, por meio de uma manobra eleitoral, emplacar o nome do Coronel Nunes, presidente da Federação Paraense de Futebol, como novo vice mais velho da entidade. Inclusive com apoio inadmissível dos 4 grandes clubes de São Paulo.

Do outro lado, o grupo que apóia a Primeira Liga quer Delfim Peixoto, presidente da Federação Catarinense de Futebol  na vice-presidência. Como são os mais velhos, teriam o direito de assumir a entidade. Independente se tem qualificação. Aqui é só o poder, pelo poder.

Uma coisa está clara, para o um futuro diferente do caos atual do futebol brasileiro, nem Coronel Nunes, nem Delfim Peixoto têm qualquer condição de assumir o comando do futebol brasileiro.

Os clubes mais uma vez se mostram covardes e sem nenhuma noção do momento histórico que poderíamos vivenciar.

Os grandes clubes do futebol brasileiro estão mais uma vez associados ao atraso, apoiando o que de mais antiquado e despreparado temos hoje para comandar a CBF.

A hora é de mudança, de ruptura. Temos que buscar um novo nome para comandar a CBF, totalmente fragilizada.

Se algum desses dois nomes assumir a CBF, a responsabilidade será toda dos 40 clubes das Série A e Série B. Só deles!



MaisRecentes

Discrepância dos direitos de TV no Brasil, um erro da Globo



Continue Lendo

Gestão de patrocínio no futebol brasileiro está obsoleta



Continue Lendo

Entendendo as finanças dos clubes brasileiros em 2016



Continue Lendo