Futebol como vetor de desenvolvimento de um país



Essa semana o Lance! vai publicar um extenso material especial sobre a gestão da Premier League. Todos os dados e análises vão comprovar que o intenso processo de profissionalização do mercado inglês, somado à globalização da competição, a transformaram em uma potência econômica.

O que mais impressiona na pujança da Premier League é o quanto seus 20 times participantes impactam em toda a cadeia produtiva do futebol do seu país.

Segundo estudo da empresa EY da Inglaterra, a liga graças ao seu forte desenvolvimento, produz um gigantesco impacto para o PIB. A análise aponta que a competição é responsável por 6,2 bilhões de libras para a economia do país.

Pelos meus cálculos representa impressionantes 0,31% do PIB do Reino Unido.

footballstadium4

 

Para chegar a essa conclusão, como em outros estudos de impacto econômico a empresa utilizou em sua metodologia de cálculo as receitas diretas geradas, receitas indiretas e impactos induzidos.

A Premier League gera 3,3 bilhões de libras diretamente, 2,0 bilhões de libras indiretamente e mais 0,9 bilhão de libras induzidos.

Segundo a EY, a Premier League oferece um grande retorno para o Governo, já que somente em impostos e contribuições sociais são 2,4 bilhões de libras produzidos. Esse valor é gerado pela cadeia produtiva associada à competição. Isso representa 39% do impacto econômico total calculado. Em impostos direitos foram 1,3 bilhão de libras, enquanto que os indiretos e induzidos somaram 1,1 bilhão.

vImpacto

A competição gera mais de 103 mil empregos. Isso demonstra o caráter empregador do futebol, já que grande parte dos empregos não são diretos. Quanto mais a liga se profissionalizou mais a cadeia produtiva se beneficiou. O impacto dos empregos é alto, pois gera renda e consequentemente aumento no consumo.

empregos

Alguns fatores foram determinantes para o sucesso econômico da competição. Um sem dúvida o investimento contínuo em infraestrutura de estádios, com alto grau de utilização. A liga tem 96% de ocupação de seus jogos e gera 616 milhões de libras com suas 380 partidas.

Outro foi a busca intensiva de aquecimento de demanda da competição, tanto no mercado doméstico, quanto internacionalmente. A liga fatura somente com direitos internacionais de transmissão um valor incrível de 722 milhões de libras por ano.

A divisão igualitária dos direitos de TV também foi um fator crítico de sucesso para o êxito, bem como a conversão do interesse e intensa audiência em reais oportunidades comerciais. A Inglaterra hoje colhe frutos de decisões acertadas no passado.

No Brasil não há dados conclusivos sobre quanto os 20 clubes da série A impactam em toda a cadeia produtiva do futebol brasileiro e no PIB. Os 20 maiores clubes somados faturam R$ 3,1 bilhões, 0,06% do PIB do Brasil em 2014. As receitas dos clubes não crescem há 3 anos.

Poderíamos produzir para a economia muito mais que o dobro disso, se seguíssemos o modelo inglês. O que precisamos é sair da estagnação com estratégias de longo prazo e vontade política para mudar.

 



MaisRecentes

Discrepância dos direitos de TV no Brasil, um erro da Globo



Continue Lendo

Gestão de patrocínio no futebol brasileiro está obsoleta



Continue Lendo

Entendendo as finanças dos clubes brasileiros em 2016



Continue Lendo