Finanças do CAP, o desafio da Arena da Baixada



O Clube Atlético Paranaense (CAP) acaba de publicar seu balanço patrimonial.

O clube paranaense é um dos melhores modelos de gestão do futebol brasileiro, já que mesmo com todas as dificuldades de estar fora do eixo RJ-SP, cresceu de forma sustentável.

O clube conta com um controle rígido do seu orçamento, tem um CT de última geração e uma arena moderna. Inclusive foi o percursor, ao ser o primeiro clube brasileiro a ter uma arena, ainda na década de 1990.

Atualmente é único clube do país que controla 100% sua nova arena, sem depender de empreiteiras enroladas até o pescoço na justiça.

Por outro lado a arena fatura muito pouco, perto de seu potencial.

Em 2016, o CAP atingiu recetas de R$ 164 milhões, crescimento de 4% em relação a 2015.

CAP rteceitas

O principal fator para o crescimento das receitas foi o aumento expressivo dos valores provenientes da TV, que cresceram 80% e atingiram R$ 55,3  milhões.

Vale destacar também o aumento de 27% nos patrocínios, 37% em bilheteria e 81% em outras receitas da arena.

Por outro lado houve uma queda de 45% nas receitas com transferências de atletas.

Descontado o efeito das transferências, o faturamento do CAP cresceu 34% no ano passado.

Já as receitas com sócios estão estagnadas.

fontes CAP

Os custos com futebol do clube atingiram em 2016 R$ 89,9 milhões, aumento de 10% em relação a 2015. Nesse valor estão inclusos R$ 12,2 milhões em custos com transferências de atletas.

Atualmente os custos com futebol representam 65% de suas receitas.

Custo

O controle orçamentário do CAP pode ser verificado nos seus superávits, que em 2016 foram de R$ 36,6 milhões.

Nos últimos três anos os superávits acumulados foram de R$ 125,6 milhões.

superavits

 

Já as dívidas do clube paranaense subiram 7% em 2016 e atingiram R$ 264,5 milhões.

Dividas CAP

O principal fator para  endividamento do clube foi a reforma da Arena da Baixada, já que antes de 2012 o clube simplesmente não tinha dívidas, caso único no futebol brasileiro.

O clube não tem quase dívidas para sua operação. Assim para ter uma arena 100% sua o clube contraiu empréstimos que viabilizaram a obra.

Por outro lado precisa faturar muito mais que a realidade atual, a fim de poder zerar essa dívida.

Esse é seu grande desafio!

Receitas atuais da Arena da Baixada

Como citado o grande desafio para o CAP é aumentar as receitas com sua moderna arena.

As receitas da arena, incluindo o faturamento com sócios e bilheteria atingiram R$ 42,3 milhões em 2016, frente aos R$ 36, 1 milhões de 2015.

Isso representa uma evolução de 17%.

Arena

Pelos meus cálculos a Arena da Baixada fatura bem menos do que deveria.  Há um amplo espaço para as receitas crescerem.

Os sócios precisam ultrapassar R$ 40 milhões por ano e a bilheteria precisa ultrapassar R$ 14 milhões. Assim somente essas duas fontes podem somar R$ 54 milhões.

Nada menos que 66% superior a realidade atual.

Já as outras receitas da arena  não chegam a R$ 10 milhões  e precisam crescer.

Houve um acréscimo no faturamento com placas de publicidade que passaram de R$ 1,2 milhão para mais R$ 4,4 milhões (+267%)

E o aluguel para shows que saiu de R$ 1,8 milhão para R$ 3,9 milhões. ( +117%).

Onde crescer?

O ponto fraco são os camarotes, que faturam  R$ 814 mil por ano e deveriam faturam mais de R$ 4 milhões.

E as lojas que movimentam apenas R$ 254 mil e tem potencial para faturar mais de R$ 1 milhão.

Assim, as outras receitas da arena poderia sair de menos de R$ 10 milhões para mais de R$ 15 milhões por ano.

E somados com os sócios e bilheteria fazer com que a Arena da Baixada produza R$ 69 milhões.



  • Cleiton

    Olá Somoggi. Por favor, você poderia fazer um estudo e explicar como é feita a contabilidade das dividas da Arena do CAP. Ao que parece o clube considera como entrada para pagamento da divida, títulos de potencial construtivos que não estão confirmados. No mais, fica um elogio quanto ao seu trabalho que é ótimo para que nós, torcedores, entendamos um pouco melhor a situação de nossos clubes. Abraço!

MaisRecentes

Gestão de patrocínio no futebol brasileiro está obsoleta



Continue Lendo

Entendendo as finanças dos clubes brasileiros em 2016



Continue Lendo

Clubes brasileiros estão completamente dependentes da TV



Continue Lendo